Novo sistema de viagens: Quais as exigências para crianças, como comprovar a vacinação completa e outras dúvidas respondidas

Desde 4 da manhã desta segunda-feira (04/10), o novo sistema de viagens do Reino Unido entrou em vigor com países e territórios classificados como vermelho ou o resto do mundo.

O novo sistema simplificado de viagens também significa que os passageiros elegíveis totalmente vacinados e menores de 18 anos que regressam de mais de 50 países e territórios não incluídos na lista vermelha podem fazê-lo sem necessidade de completar um teste pré-partida (PDT), um teste do dia 8 ou entrar num período de auto-isolamento de 10 dias, tornando mais fácil para quem viaja – quer seja para ver amigos e familiares, quer seja em viagens de negócios.

As novas regras significam também que a partir de final de outubro, os passageiros com uma vacinação completa aprovada com certificado reconhecido de um país não incluído na lista vermelha poderão substituir o seu teste do dia 2 por um teste de fluxo lateral mais barato, reduzindo o custo dos testes à chegada a Inglaterra.

O governo pretende ter isto em vigor para quando as pessoas regressarem de pausas de Half-term.

Qualquer pessoa que apresente resultados positivos terá de se isolar e fazer um teste PCR de confirmação, sem custos adicionais, que seria genomicamente sequenciado para ajudar a identificar novas variantes.

O secretário dos Transportes Grant Shapps afirmou: “Estamos a acelerar para um futuro em que as viagens continuam a reabrir em segurança e permanecem abertas para sempre, e as mudanças de regras de hoje são boas notícias para as famílias, empresas e o sector das viagens”.

Quais são as exigências para as crianças?

Também desde 04/10, os menores de 18 anos provenientes dos mais de 50 países cujo estatuto de vacinação o Reino Unido reconhece não precisarão apresentar um PDT negativo antes de viajarem para Inglaterra. Isto aplica-se independentemente do seu estatuto de vacinação.

Todos os menores de 11 anos, independentemente de onde viajem, já estão isentos de testes prévios à chegada ao Reino Unido.

Se as crianças com 11 anos ou mais não viajarem de um dos mais de 50 países e territórios onde as vacinas são reconhecidas, serão obrigadas a seguir as mesmas regras que para os passageiros não vacinados.

“A partir de hoje, estamos a alargar a nossa política de vacinação a mais 18 países, incluindo os Emirados Árabes Unidos, o Japão e o Canadá.”

As vacinas reconhecidas são Pfizer BioNTech, Oxford AstraZeneca (incluindo Covidshield), Moderna e Janssen (J&J).

Isto baseia-se na fase piloto de sucesso do governo britânico com a Europa e os EUA, e eleva o número total de países no âmbito da política para mais de 50, com mais países e territórios a serem acrescentados nas próximas semanas.

Como comprovar a vacinação completa?

Os elegíveis devem ter um documento de uma autoridade de saúde pública nacional ou estatal que inclua certas informações incluindo nome, data de nascimento e detalhes de vacinação, conforme estabelecido nas orientações sobre o GOV.UK.

O governo tem mantido uma abordagem faseada para reconhecer as vacinas administradas por outros países e territórios, com base no sucesso do projecto-piloto com os EUA e a Europa.

Quem tomou Coronavac vai receber o mesmo tratamento?

A vacina Coronavac, administrada na maioria dos brasileiros, não foi listada no acordo europeu e não faz parte da política de entrada do Reino Unido, até porque o Brasil segue na lista vermelha (que será atualizada nos próximos dias).

A imprensa britânica dá como certa a saída do Brasil da lista vermelha a partir de novembro, quando a relação de países assim classificados será drasticamente reduzida.

Os residentes totalmente vacinados em países que ainda não fazem parte da política de entrada, bem como os parcialmente vacinados, terão ainda de fazer um teste pré-partida, testes PCR para o segundo e oitavo dia após a chegada, e auto-isolamento durante 10 dias, com a opção de testar para libertar após 5 dias.

O governo britânico deve expandir mais regularmente a política a outros países e territórios.

Todas as chegadas terão ainda de preencher um formulário de localização de passageiros antes da viagem. Os viajantes devem continuar a verificar as orientações de viagem do GOV.UK, incluindo conselhos de viagem do Foreign, Commonwealth and Development Office (FCDO) antes, durante e depois da viagem, para se manterem actualizados com os requisitos de entrada e assegurarem o cumprimento dos últimos regulamentos COVID-19 e não COVID-19 para o país visitado. Os passageiros devem também verificar cuidadosamente as condições de reserva antes de efectuarem a reserva.

Fonte: Gov.uk

Imagem: Unsplash

Também pode interessar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *