Os trabalhadores poderiam exigir horários de trabalho flexíveis e teletrabalho, segundo planos do governo

Os trabalhadores terão o direito de solicitar trabalho flexível a partir do momento em que iniciam um emprego, e as empresas serão obrigadas a explicar as suas razões se depois lhes for recusado, o governo irá propor num documento de consulta esta semana.

O plano obrigaria também os empregadores a responder mais rapidamente a tais pedidos, e está a ser facturado como uma grande remodelação da forma como as pessoas trabalham num mundo pós-pandémico, tornando o trabalho flexível o padrão.

Mas antes da publicação do plano, os sindicatos advertem que as propostas não vão suficientemente longe e que, em vez de forçar as pessoas a pedir trabalho flexível, os anúncios de emprego devem estabelecer que tipo de opções estão disponíveis para o trabalho.

O documento de consulta, a ser publicado essa semana pelo Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (Beis), provém de um programa mais amplo denominado Plano de Trabalho Bom, lançado em 2019.

Está a examinar toda a gama de trabalho flexível, incluindo trabalhar menos ou diferentes horas, ou as chamadas horas comprimidas (trabalhar mais horas em menos dias), trabalhar a partir de casa durante algum ou todo o tempo, e partilhar o trabalho.

Embora as propostas ainda não tenham sido publicadas, entende-se que a recomendação chave será permitir que as pessoas procurem trabalho flexível desde o primeiro dia de trabalho em vez de, como agora, terem de esperar seis meses.

Para além disso, as empresas serão obrigadas a responder aos pedidos mais rapidamente do que o actual máximo de três meses. Se um pedido for recusado, o empregador terá de explicar porquê e sugerir um acordo de trabalho alternativo.

Para os sindicatos, isto não seria suficiente para satisfazer o compromisso do governo no manifesto de fazer do trabalho flexível a opção, salientando que pelo menos alguns trabalhadores têm sido capazes de solicitar trabalho flexível ao abrigo da lei desde 2003, e que para além da explosão do trabalho remoto durante a pandemia, pouco mudou desde então.

Sue Coe, responsável pela política de igualdade no TUC, disse que as estatísticas do inquérito à força de trabalho mostraram que, entre 2013 e 2020, a proporção de pessoas que fazem alguma forma de trabalho flexível aumentou apenas de 26% para 30%.

“Se olharmos para isso, será que nos diz que esta é uma política que está a funcionar mas que precisa de um pouco de afinação para que funcione?”, disse ela.

Outras estatísticas revelaram que um em cada três pedidos de trabalho flexível foi recusado, enquanto a investigação da Beis e da Comissão para a Igualdade e Direitos Humanos indicou que quase quatro em cada 10 mães empregadas não tinham solicitado alguma forma de trabalho flexível que gostariam. Muitas vezes isto aconteceu porque assumiram que seriam recusadas, mas muitas mulheres também disseram que receavam que trabalhar de forma flexível pudesse prejudicar as suas carreiras.

“O que sempre dissemos é que o direito de pedir é um direito a ser rejeitado por muitos”, disse Coe. “O que o governo está a tentar alcançar é louvável: fazer do trabalho flexível o padrão. Mas mesmo para as pessoas que não são rejeitadas, o que vemos demasiadas vezes é que as pessoas, particularmente as mulheres, pagam o preço do trabalho flexível porque não é o padrão.”

Covid tinha demonstrado como um tipo de trabalho flexível, trabalhando à distância, podia ser arranjado para milhões de pessoas quase instantaneamente, Coe disse: “Claro que não se pode trabalhar de casa se, por exemplo, for maquinista de comboios. Mas o que a pandemia nos tem mostrado é que o trabalho flexível é eminentemente realizável. O que precisamos é da ambição de tornar o trabalho flexível numa realidade, em vez de esta limitada remenda nos limites de uma política que já vimos ter falhado”.

Também pode intertessar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *