Boris Johnson e Joe Biden assinam nesta quinta-feira (10/06) novo Tratado do Atlântico

Boris Johnson e Joe Biden farão comparações com Winston Churchill e Franklin D. Roosevelt ao assinarem uma nova carta atlântica, numa tentativa de mostrar que a liderança britânica e a norte-americana podem enquadrar uma ordem pós-Covid da mesma forma que a carta de 1941, assinada pelos dois líderes prefigurou uma nova ordem após a Segunda Guerra Mundial.

A assinatura simbólica de uma nova versão da Carta Atlântica terá lugar na primeira reunião bilateral presencial entre os dois líderes desde a tomada de posse de Biden, e antecede uma cimeira crítica dos líderes do G7 na Cornualha.

A carta original, assinada em agosto de 1941 numa altura de maior igualdade entre os dois poderes, defendia os valores da democracia e da liberdade de expressão e oposição total ao nazismo, o que levou directamente à criação de instituições do pós-guerra, como a ONU e a NATO.

Também pode interessar: Ação policial em Lambeth e Southwark em defesa das mulheres

Downing Street informou: “Tal como os nossos países trabalharam juntos para reconstruir o mundo após a Segunda Guerra Mundial, também aplicaremos a nossa força combinada aos enormes desafios que o planeta enfrenta actualmente, desde a defesa e segurança globais até a reconstrução da sociedade e luta contra as transformações climáticas.

“E, ao fazê-lo, a cooperação entre o Reino Unido e os EUA, o parceiro mais próximo e o maior dos aliados, será crucial para o futuro da estabilidade e prosperidade do mundo.”

“Os acordos que o presidente Biden e eu próprio faremos [na quinta-feira], enraizados como estão nos nossos valores e perspectivas comuns, constituirão a base de uma recuperação global sustentável. Há oitenta anos, o presidente dos Estados Unidos e o primeiro-ministro britânico juntaram-se para prometer um futuro melhor. Hoje fazemos o mesmo.”

Com base em oito desafios comuns, a carta destacará novas ameaças que o mundo enfrenta, tais como ciberataques, a crise climática, a protecção da biodiversidade e a prevenção de futuras pandemias.

O acordo bilateral abrangerá também a protecção do Acordo de Sexta-feira Santa, uma abertura lenta das viagens aéreas para os EUA, um centro de previsão da pandemia, transferência de tecnologia e um fim negociado das disputas comerciais entre a Airbus e a Boeing.

Será criado um grupo de trabalho sobre transportes para discutir a abertura das viagens transatlânticas, mas, para frustração da indústria aérea, os Estados Unidos não oferecem qualquer prazo.

Boris tinha convidado os líderes da Coreia do Sul, Austrália e Índia para a cimeira da Cornualha, sugerindo que iria transformar o G7 numa aliança de 10 democracias, a D10, alinhada contra as autocracias da China e Rússia, mas enfrentando a resistência de muitos estados do G7, incluindo Itália e França.

A directora de estratégia do Foreign Office Melinda Bohannon, falando no Conselho do Atlântico, disse acreditar que o foco imediato em Whitehall era “reunir a banda de novo”, em vez de construir um novo clube de democracias que pudesse ser visto como divisivo.

A crescente indignação pública pelo fracasso dos Estados do G7 em partilhar os seus excedentes acumulados de vacinas, e os contínuos riscos enfrentados pelos países mais pobres ilustrados pela crise da Covid na Índia, também forçaram Johnson a reorientar a cimeira para um plano de vacinação de todo o mundo até ao final do próximo ano. O líder sul-africano Cyril Ramaphosa foi acrescentado à lista de convidados e exigirá que a questão da desigualdade de vacinas seja abordada, com um plano abrangente do tipo solicitado pelo ex-primeiro-ministro britânico Gordon Brown.

O Reino Unido está no bom caminho para ter pelo menos 113 milhões de doses excedentárias até ao final do ano.

Edwin Ikhuoria, director executivo para África na The One Campaign, disse que 1 bilião de doses de vacina Covid deveria ser partilhada antes do final do ano e 2 biliões, o mais cedo possível. Os países do G7 deveriam também contribuir com 36 bilhões de dólares (25,5 bilhões de libras esterlinas) como uma parte justa dos 66 bilhões de dólares necessários para a imunidade global do rebanho até ao final de 2022. Para satisfazer a sua justa quota-parte de necessidades financeiras globais em 2021, o Reino Unido deverá contribuir com mais 400 milhões de dólares.

As comparações algo egoístas com Churchill e Roosevelt pelos dois líderes podem parecer arriscadas ou prematuras, mas a questão é mostrar que ambos acreditam que a pandemia provou ser um ponto de viragem global que requer uma cooperação transatlântica sem precedentes baseada em valores partilhados de defesa da democracia, segurança colectiva e um sistema comercial aberto.

Falando antes da cimeira, Johnson disse: “Enquanto Churchill e Roosevelt enfrentaram a questão de como ajudar o mundo a recuperar após uma guerra devastadora, hoje enfrentamos um desafio muito diferente mas não menos assustador: como melhor reconstruir a partir da pandemia de coronavírus.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *