Cônsul-geral explica cancelamento de voos entre UK e Brasil

Imagem: Unsplash

Desde o dia 25/12 está em vigor a Portaria 648 que veta temporariamente a chegada ao Brasil de voos que tenham origem ou passagem pelo Reino Unido. Na prática, isso significa que Latam e British Airways tiraram da rota seus voos diretos entre Londres e São Paulo. O consulado do Brasil em Londres tem orientado aos que podem que esperem para embarcar quando a portaria deixar de vigorar ou, em casos de emergência, que usem rotas alternativas, como por Paris e Lisboa. Nesta entrevista, o cônsul-geral do Brasil em Londres Tarcísio Costa dá mais detalhes sobre entrada de voos e viajantes em solo brasileiro.

Cônsul-geral do Brasil em Londres Tarcísio Costa

Notícias em Português – Do que trata a portaria que cancelou os voos diretos entre Brasil e Reino Unido?

Tarcísio Costa – Trata-se da portaria 648 da Casa Civil, seguindo recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, com o objetivo de fazer o possível para evitar a disseminação dessa nova variante do vírus, pelo seu elevado grau de transmissibilidade. Muitos países tomaram a mesma atitude. Na América Latina, Argentina, Chile, Peru e Colômbia fizeram o mesmo.

Todos os voos estão cancelados?

Na prática, isso significa o cancelamento dos voos diretos entre Londres e Brasil, operados unicamente no momento pelas companhias Latam e British Airways. Em conversas com os representantes das companhias áreas, sabemos que o custo do voo é calculado considerando ida e retorno. Assim, se uma perna é o suspensa, toda a rota é interrompida.

Mas o viajante pode ter o acesso ao Brasil negado se usa outra rota?

O embarque de estrangeiros que tenham estado no Reino Unido nos últimos 14 dias não é autorizado, mas isso em nada afeta o direito de um brasileiro de entrar em seu país. Por isso, temos informação que o acesso ainda é possível a brasileiros embarcados em Paris ou Lisboa. O requisito é que o passageiro não deixe as dependências do aeroporto entre desembarque e embarque para o Brasil.

O que o viajante brasileiro precisa apresentar para entrar no Brasil?

A entrada de cidadãos brasileiros ou estrangeiros em território brasileiro está condicionada a duas requisições: o preenchimento da Declaração de Saúde do Viajante (DSV) – o viajante deve apresentar o e-mail de comprovação de preenchimento da Declaração de Saúde do Viajante à companhia aérea, e a apresentação de um teste negativo RT-PCR para Covid-19, feito nas 72 horas anteriores. O NHS não dispõe de testes desse tipo por razões de viagem ao exterior, assim será preciso pagar por ele.

Até quando essa suspensão seguirá?

Eu não posso precisar por quanto tempo essa portaria permanecerá em vigor. O momento pede calma e paciência. Só com a Latam, 3.400 brasileiros foram afetados com o cancelamento de voos. Recebemos (até 29/12) 2000 mensagens de brasileiros afetados. Entre eles, há dois grupos: os nacionais residentes em UK com viagem planejada para o Brasil e os que estavam aqui em visita a parentes, muitos com compromissos que exigem o retorno ao Brasil. Nos dois casos, é importante reforçar que não se perde a passagem. Normalmente, a remarcação pode ser feita. É preciso ter paciência neste momento.

A demanda de pedidos de ajuda cresceu?

A demanda cresceu, mas não ao nível do início da pandemia, quando o consulado organizou dois voos de repatriação. Mantemos nosso plantão de atendimento, lembrando que dispomos de dois serviços contratados externamente, o de um escritório de assistência social e psicologia e um escritório de advocacia. Também atuamos com o apoio do CCRU (Conselho de Cidadania do Reino Unido) e da Casa do Brasil. Não é um trabalho isolado do consulado.

O senhor acredita que a comunidade está mais adaptada e preparada para o período de confinamento agora que no início da pandemia?

Já no começo da pandemia, enquanto organizávamos a lista de passageiros para os dois voos de repatriação, observamos que muitos brasileiros decididos a retornar ao país quando a pandemia foi decretada acabaram mudando de opinião e desistindo do embarque. Isso se deve em parte a situação também complicada no Brasil, onde já há quase 200 mil mortes de Covid-19, e pela capacidade da comunidade de se adaptar à nova realidade. Temos notícias sobre o crescimento da oferta de trabalho na área de delivery, na qual muitos brasileiros atuam.

Também pode interessar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *