Como retomar a calma e o equilíbrio

Por Priscila Schramm Gonsalez*

Imagem: Unsplash

Este foi um ano difícil. Dois mil e vinte está chegando ao fim. 
Agora, mais do que nunca desde a última guerra mundial, estamos sentindo essa incerteza fortemente, pois ela se infiltra em todas as áreas de nossas vidas: trabalho, segurança, casa, relacionamentos.
O desconhecido do que está pela frente e a incerteza sempre estiveram conosco. Temos sido capazes de evitá-lo por meio de ilusões criadas pelo controle de nossos ambientes e experiências que desmentem uma sensação de segurança e proteção e acreditando que as coisas não vão mudar, e se mudar, então apenas dentro dos reinos que estamos dispostos. Temos que construir uma nova relação com a natureza incerta da realidade.

Depois de meses do início da pandemia que marcou 2020, consegui voltar à minha calma e ao meu centro. Atribuo isso ao relacionamento que cultivei com meu eu interior nos últimos 10 anos. Eu perco o caminho, me desequilibro muitas vezes, mas encontro o caminho de volta para casa rapidamente. Aqui está o que me ajuda, compartilho com você para que independendo do que 2021 traga, você possa estar preparado(a):

 
1. Permissão para sentir profundamente. Tire quanto tempo for necessário para lamentar o que foi e deixar para trás o que poderia ter sido. Muitas vezes e muito rapidamente evitamos a maneira como nos sentimos, porque a consideramos “boba” ou “dramática” ou “não faz sentido”. O sentimento em si mesmo faz parte do processo. Todos os dias sofremos perdas menores ou maiores, essa é a natureza da vida, mas nossa tendência é nos concentrarmos inteiramente na fachada de que sempre podemos ser felizes.

 

2. Vulnerabilidade como guardiã da integridade. Sinto uma grande satisfação por poder ser visível até nas minhas feridas. Isso me conecta com nossa humanidade e desperta uma profunda compaixão pela beleza e os desafios com os quais todos dançamos. Isso significa que me volto para as minhas amigas mais próximas, 2 das quais choraram comigo quando eu compartilho situações que são difíceis para mim. Significa que tenho as conversas que me colocam medo. E significa que estou preparada para ser alguém a quem as pessoas podem recorrer, o tipo de mulher a quem as pessoas podem falar a verdade.

 

3. Disposição para deixar ir. Como escrevi anteriormente aqui, a habilidade essencial de desapego requer inteligência emocional. Ser capaz de reter em nossos corações o paradoxo da beleza da vida que é inseparável de sua fragilidade e permitir que seja exatamente como é. Em termos práticos, a forma como eu pratico o desapego é escolhendo uma nova narrativa do que considero ser minha experiência e realidade, liberando ligações de como penso que as coisas deveriam ser, limpando meu espaço energético com movimento e massagem, e meu espaço físio, limpando e reorganizando, usando minha respiração para exalar qualquer coisa que pareça estar presa em meu corpo.

 

4. Permanecendo ancorada. Eu sinto essa necessidade na vida e na arte de simplificar radicalmente, de voltar à inocência. A única maneira que sei fazer isso é me mover pelo mundo devagar o suficiente para que a vida possa se expressar através de mim. A vida, em minha experiência, se processa na metade do ritmo do mundo ocidental moderno que conheço. Não posso acompanhar se quiser permanecer ancorado. Então, desacelero e sigo suavemente ao ritmo natural da minha alma.

 

5. Desconecte-se da distração para reconectar-se à imaginação poética. Devido à natureza do meu trabalho, passo muito tempo, mais do que gostaria, online e atrás das telas. Sou grata pelos muitos presentes que isso me dá e também estou ciente de como isso cria uma sensação de separação da verdadeira natureza da vida. A única coisa que me ajudou a superar dias de tristeza foi a esperança que surge da minha imaginação do que é possível além da estrutura de minha experiência atual. 

 

6. Evitar nomear coisas muito cedo. Esta é uma lição totalmente nova para mim e que sou grata por aprender. Nomeamos as coisas para controlá-las ou a nós mesmos em relação a elas, sem permitir que se moldem e se formem à sua própria maneira. Nomeamos as coisas para dar às nossas mentes um senso de certeza de que entendemos e sabemos como navegá-las, mas ao nomeá-las destrói sua própria essência. Não tenho certeza do que aconteceu aqui, pois normalmente estou tão disposta e capaz de permitir que as coisas sejam o que querem, mas desta vez … um presente na forma desta lição estava esperando por mim.

Eu descobri que o oposto da incerteza é o sentimento de pertencer ao mundo em toda a sua imprevisibilidade. É saber que fazemos parte dessa incerteza visto que somos excelentes exemplos dela. Quando paramos de tentar nos distanciar da incerteza e reconhecemos que estamos incluídos nela, uma proximidade e um relacionamento significativo com o desconhecido se desenvolve. Todos os dias caminhamos para a incerteza. Não podemos mais fingir que a mudança não está acontecendo.

Feliz 2021 para nós.

* Priscila Schramm Gonsalez é nutricionista funcional, especialista em desequilíbrios hormonais, saúde da mulher, doença crônicas e emagrecimento. Atende pacientes em consultório e pelo NHS. 

Você tem uma pergunta sobre nutrição, saúde e bem-estar? Envie para priscilasgonsalez@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *