Governo cancela encontros de Natal e cria nível 4 de alerta

Nova variante do vírus, ainda mais infecciosa, faz Boris Johnson endurecer medidas para Londres, sudeste e leste da Inglaterra.

Leia discurso do primeiro-ministro deste sábado (19/12), traduzido para o português.

“Lamento informar que a situação se deteriorou desde a última vez que falei com vocês, há três dias.

Ontem à tarde, fui informado sobre os últimos dados mostrando que o vírus se espalhou mais rapidamente em Londres, no sudeste e no leste da Inglaterra do que seria de se esperar, dadas às duras restrições que já estão em vigor.

Também recebi uma explicação para o motivo pelo qual o vírus está se espalhando mais rapidamente nestas áreas. Parece que esta propagação está agora sendo impulsionada pela nova variante do vírus, sobre a qual tomamos conhecimento pela primeira vez no início desta semana.

Nosso grupo consultivo New and Emerging Respiratory Virus Threats – NERVTAG – passou os últimos dias analisando a nova variante.

Não há evidências de que a variante cause doenças mais graves ou maior mortalidade, mas parece ser transmitida com maior facilidade.

A análise precoce da NERVTAG sugere que a nova variante poderia aumentar R em 0,4 ou mais. Embora haja considerável incerteza, ela pode ser até 70% mais transmissível do que a antiga variante.

Estes são os dados iniciais. Está sujeito a revisão. É o melhor que temos no momento, e temos que agir de acordo com a informação que temos, pois está se espalhando muito rapidamente.

O Reino Unido tem de longe a melhor capacidade de sequenciamento genômico do mundo, o que significa que somos mais capazes de identificar novas linhagens como esta do que qualquer outro país.

O diretor médico apresentou nossas descobertas até agora à Organização Mundial da Saúde e continuaremos a ser totalmente transparentes com nossos parceiros globais.

Ainda há muito que não sabemos. Embora estejamos bastante certos de que a variante é transmitida mais rapidamente, não há evidências que seja mais letal ou cause doenças mais graves. Do mesmo modo, não há evidências que sugiram que a vacina será menos eficaz contra a nova variante.

Nossos especialistas continuarão seu trabalho para melhorar nossa compreensão da variante.

Portanto, estamos aprendendo mais sobre esta variante à medida que avançamos.

Mas já sabemos o suficiente para ter certeza de que devemos agir agora.

Encontrei-me com ministros do Comitê de Operações Covid ontem à noite e novamente logo pela manhã, e o gabinete se reuniu na hora do almoço para concordar com as seguintes ações.

Primeiro, vamos introduzir novas restrições nas áreas mais afetadas – especificamente naquelas partes de Londres, sudeste e leste da Inglaterra que estão atualmente na camada 3.

Estas áreas entrarão em uma nova camada 4, que será amplamente equivalente às restrições nacionais que estavam em vigor na Inglaterra em novembro.

Isso significa que:

Os residentes nessas áreas devem permanecer em casa, além das isenções limitadas estabelecidas por lei. O varejo não essencial, as academias e as instalações de lazer cobertas e os serviços de cuidados pessoais devem fechar. As pessoas devem trabalhar em casa se puderem, mas podem viajar para o trabalho se isso não for possível, por exemplo, nos setores de construção e manufatura. As pessoas não devem entrar ou sair das áreas da camada 4, e os residentes da camada 4 não devem passar a noite fora de casa. Os indivíduos só podem encontrar uma pessoa de outra residência em um espaço público externo.

Ao contrário das restrições nacionais de novembro, orações comunitárias em locais de culto poderão continuar ocorrendo nas áreas de camada 4.

Estas medidas entrarão em vigor a partir de amanhã de manhã (20/12).

Todos os níveis continuarão a ser revisados regularmente, de acordo com a abordagem previamente estabelecida, com o próximo ponto de revisão formal ocorrendo em 30 de dezembro.

Em segundo lugar, estamos emitindo novos conselhos sobre viagens.

Embora a nova variante esteja concentrada em áreas de nível 4, ela está presente em níveis mais baixos em todo o país.

Estamos pedindo a todos, em todas as camadas, que permaneçam em suas áreas.

As pessoas devem considerar cuidadosamente se precisam viajar para o exterior e seguir as regras em seu nível.

Aqueles em áreas de nível 4 não serão autorizados a viajar ao exterior, salvo exceções limitadas, como por exemplo para fins de trabalho.

Em terceiro lugar, devemos, temo eu, olhar novamente para o Natal.

Como primeiro-ministro, é meu dever tomar as difíceis decisões, fazer o que é certo para proteger o povo deste país.

Dada a evidência inicial que temos sobre esta nova variante do vírus, e o risco potencial que representa, é com um coração pesado que devo dizer a vocês que não podemos continuar com o Natal como planejado.

Na Inglaterra, aqueles que vivem em áreas de nível 4 não devem se misturar com ninguém fora de sua própria casa no Natal, embora as bolhas de apoio permaneçam no lugar para aqueles que correm um risco particular de solidão ou isolamento.

Em todo o resto do país, as regras de Natal que permitem que até três residências se reúnam serão agora limitadas apenas ao dia de Natal, em vez dos cinco dias estabelecidos anteriormente.

Como antes, não haverá relaxamento em 31 de dezembro, portanto, as pessoas não devem quebrar as regras no Ano Novo.

Sei quanta emoção as pessoas investem nesta época do ano, e como é importante para os avós verem seus netos, e para as famílias estarem juntas.

Portanto, sei o quanto isto será decepcionante, mas temos dito durante toda esta pandemia que devemos e seremos guiados pela ciência.

Quando a ciência mudar, devemos mudar nossa resposta.

Quando o vírus mudar seu método de ataque, devemos mudar nosso método de defesa.

Como seu primeiro-ministro, acredito sinceramente que não há nenhuma alternativa em aberto para mim. Sem ação, as evidências sugerem que as infecções subiriam, os hospitais ficariam sobrecarregados e muitos milhares mais perderiam suas vidas.

Quero enfatizar que não estamos sozinhos nesta luta – muitos de nossos amigos e vizinhos europeus estão sendo forçados a tomar medidas semelhantes.

Estamos trabalhando em estreita colaboração com as administrações descentralizadas para proteger as pessoas em todas as partes do Reino Unido.

É claro que agora há esperança – esperança real – de que em breve nos veremos livres deste vírus.

Essa perspectiva está crescendo a cada dia que passa e a cada dose de vacina administrada.

O Reino Unido foi o primeiro país do mundo ocidental a começar a usar uma vacina clinicamente aprovada.

Portanto, por favor, se o NHS entrar em contato com você, obtenha sua vacina – e junte-se às 350.000 pessoas em todo o Reino Unido que já tomaram sua primeira dose.

Sim, o Natal deste ano será muito diferente, mas devemos ser realistas.

Estamos sacrificando nossa chance de ver pessoas queridas neste Natal, por isso temos mais chances de proteger suas vidas para que possamos vê-las em futuros Natais.

Tão certo como a noite segue o dia, vamos vencer este vírus.

Nós o derrotaremos.

E recuperaremos nossas vidas.”

Discurso de Boris Johnson proferido antes da entrevista coletiva neste sábado (19/12).

Também pode interessar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *