É assim que será o novo ano com Brexit

Por Maria Victoria Cristancho (@mavicristancho)

A saída do Reino Unido da União Europeia, mais conhecida como Brexit, é selada com a tinta mais pura: em primeiro de janeiro de 2021, a relação entre o bloco britânico e o bloco comunitário será muito diferente. Não haverá mais espaço para a reconciliação.

No alvorecer daquela sexta-feira de Ano Novo, os britânicos e os europeus se verão confrontados com uma nova realidade que terão de levar em conta, de acordo com as informações fornecidas pelo governo britânico em seu site oficial www.gov.uk .

Antes de pensar em viajar para países da União Europeia, ou Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein, verifique seu passaporte, obtenha um seguro de viagem que cubra seus cuidados médicos, certifique-se de que você tem os documentos de viagem corretos.

Se você deseja viajar com seu animal de estimação, como já fez no passado, entre em contato com seu veterinário com pelo menos quatro meses de antecedência para obter as últimas orientações sobre como levá-lo ao exterior. O atual programa de passaporte para animais de estimação na Inglaterra, Escócia e País de Gales, e o programa de viagens para animais de estimação na Irlanda do Norte, não serão mais aplicados.

Com os telefones celulares, a garantia de roaming gratuito terminará, mas nenhuma empresa de telefonia móvel do Reino Unido planeja atualmente restabelecer as tarifas de roaming, mas isso pode mudar. Verifique com sua operadora móvel as tarifas de roaming que você poderá receber a partir de 1 de janeiro de 2021.

O governo recomenda adquirir cobertura de seguro caso o agente de viagens feche ou suspenda seus serviços, mesmo que seja uma empresa da UE, desde que tenha como alvo clientes do Reino Unido. Caso contrário, se você usou seu cartão de crédito, você pode pedir uma indenização. Você ainda poderá exigir pagamentos entre £100 e £30.000.

Nenhum tratamento preferencial

Uma vez que você se disponha a viajar, enfrentará o controle das fronteiras. Você deve usar faixas separadas de cidadãos da UE, da EEA e da Suíça. Esteja preparado para mostrar seu bilhete de volta e provar que você tem dinheiro suficiente para sua estadia.

Os turistas poderão viajar sem visto para os países da área Schengen, que incluem a maioria das nações da UE e Islândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein, por até 90 dias em qualquer período de 180 dias.

Um fim de semana longo de quatro dias em Portugal na Páscoa, seguido de uma quinzena na França em junho, contaria como 18 dias para o limite de 90 dias.

Durante sua viagem para destinos europeus, você pode tirar proveito das compras duty-free.

A quantidade de tabaco e álcool que você pode trazer de volta será aumentada, mas não haverá mais vendas livres de impostos de produtos como eletrônicos e roupas no aeroporto. O reembolso do IVA para visitantes estrangeiros nas lojas do Reino Unido também será eliminado.

Se você quiser se mudar para a UE, deve considerar que, a partir de primeiro de janeiro, a livre circulação de pessoas entre o Reino Unido e a UE deixará de existir.

Se você já vive em um país da UE, terá certas proteções nos termos do acordo de retirada.

Mas mesmo assim, você deve verificar as regras específicas daquele país. Você pode ter que se registrar ou solicitar residência, obter novos documentos ou atender a requisitos específicos, como ter um emprego.

Por exemplo, os cidadãos britânicos que vivem ou planejam viver na França precisarão obter novas autorizações de residência.

A recomendação do governo britânico é que se você quiser ir morar em um país do bloco europeu, deve verificar as regras de cada país.

Entretanto, as pessoas que planejam se mudar para a Irlanda não serão afetadas em grande medida, mas as regras de condução com uma licença do Reino Unido podem mudar, se houver um Brexit sem acordo.

As coisas também mudarão para aqueles que querem viver no Reino Unido e vêm de países do bloco da UE ou da Islândia, Liechtenstein, Noruega ou Suíça. Se você já vive no Reino Unido antes de 31 de dezembro de 2020, seus direitos permanecerão os mesmos até 30 de junho de 2021. Mas você deve verificar se pode ficar após esse período. Você precisará se tornar um cidadão britânico ou solicitar o Esquema de Acordo da UE.

Mais uma vez, por causa da Área Comum de Viagens, os direitos dos cidadãos irlandeses não mudarão.

O governo britânico criou um novo sistema de imigração baseado em pontos para cidadãos estrangeiros (exceto cidadãos irlandeses) que desejam se mudar para o Reino Unido.

Embora o governo ainda não tenha anunciado como funcionará, explica-se que a ideia por trás da legislação de imigração é que a igualdade de tratamento para cidadãos da UE e de fora da UE será proporcionada. Desta forma, as autoridades procuram atrair pessoas que possam contribuir para a economia do Reino Unido.

As pessoas que querem se mudar para o Reino Unido para trabalhar, viver ou estudar precisarão solicitar e pagar por um visto.

Os cidadãos da UE, EEA e Suíça não precisarão de visto para visitas turísticas ao Reino Unido por até seis meses.

Há também um guia para cidadãos britânicos que vivem no exterior e que planejam voltar para casa com membros da família que não são cidadãos britânicos.

Outra maneira de fazer negócios

Importadores e exportadores devem fazer declarações alfandegárias como se estivessem lidando com países de outras partes do mundo.

Alguns produtos, incluindo plantas, animais vivos e alguns alimentos, também exigirão licenças e certificados especiais. Outros terão que ser etiquetados de maneiras específicas.

No caso da Irlanda do Norte, foram publicados detalhes sobre o que as empresas da Irlanda do Norte deveriam fazer e como as mercadorias podem ser movimentadas, mas o governo admite que ainda há alguma incerteza. Haverá um guia completo até o final de dezembro.

O Reino Unido e a UE concordaram em manter uma fronteira quase invisível, sem pontos de controle, entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

Isso significa que as empresas da Irlanda do Norte podem negociar livremente com a UE a partir de 2021 sem qualquer nova papelada ou cheques.

Haverá um pouco mais de papelada para mercadorias viajando entre a Irlanda do Norte e a Grã-Bretanha (Inglaterra, Escócia e País de Gales). Mas o governo diz que seu projeto de lei do mercado interno, que daria aos ministros o poder de mudar aspectos do acordo de retirada da UE, tornaria as coisas mais fáceis.

As discussões entre o Reino Unido e a UE sobre o Protocolo da Irlanda do Norte estão em andamento, mas é provável que haja mais regulamentação dos artigos que se deslocam da Grã-Bretanha para a Irlanda do Norte do que o contrário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *