Reconstruir melhor o pós-pandemia

Com Covid-19, o planeta nos enviou uma mensagem de alerta muito forte: a humanidade tem que reinventar sua relação com a natureza

Por: Ulysses Maldonado F.

De um dia para o outro, nossa vida deixou de ser o que era. As informações ardentes na mídia se voltaram para um único assunto e a agenda de nossos representantes em todas as instituições ficou marcada pelo coronavírus.

A pandemia de Covid-19 destacou alguns aspectos de como a transformação do meio ambiente é uma questão central na propagação de vírus e na geração de pandemias.

Recentemente, o grupo ambiental internacional Fridays for Future convocou um dia de ação global para o clima no dia 25 de setembro, o primeiro do ano.

Em seu apelo, dizia: “Os próximos meses e anos serão cruciais (…) Se quisermos minimizar o risco de desencadear uma cadeia irreversível de reações fora do controle humano, precisamos agir agora”. Por tudo isso, é vital que a crise climática não seja esquecida à sombra do coronavírus, mas que seja considerada uma prioridade máxima”.

Em setembro de 2019, há mais de um ano, houve manifestações em mais de 3.000 cidades de 150 países, milhões de pessoas exigindo uma ação eficaz contra a mudança climática.

Uma das maiores foi em Nova York, onde a ativista sueca Greta Thunberg estava marchando à frente da manifestação. Ela se tornou um símbolo mundial da indignação da juventude pela falta de ação dos governos e pela inutilidade das “cúpulas” do imperialismo (G8, G20) para tomar medidas efetivas para deter o aumento da temperatura do planeta.

Este novo dia mundial de 2020 é convocado com a pandemia da Covid-19 ainda em curso. Numa época em que os furacões no Caribe, com uma força sem precedentes, e os incêndios de áreas gigantescas na Califórnia e na Amazônia nos mostram os efeitos desastrosos da mudança climática.

Para corroborar a situação, o apelo pela conservação da natureza não esperará. De acordo com o chefe das Nações Unidas, António Guterres, a natureza está nos enviando uma mensagem clara.

“Estamos prejudicando o mundo natural, em nosso próprio prejuízo. A degradação dos habitats e a perda da biodiversidade estão se acelerando. A perturbação do clima está se agravando. Incêndios, enchentes, secas e super tempestades estão se tornando mais frequentes e causando mais danos. E agora, um novo coronavírus está causando estragos, prejudicando a saúde e a subsistência das pessoas. Para cuidar da humanidade, devemos cuidar da natureza”, disse o Secretário-Geral da ONU.

O relatório 2020 da WWF, chamado Planeta Vivo (Living Planet), nos dá uma leitura amarga do estado da vida na Terra: um declínio de 60% dos animais selvagens desde 1970, a deterioração dos ecossistemas e uma clara possibilidade de que a espécie humana seja a próxima na lista.

De acordo com Greenpeace, a hipermobilidade humana foi o que favoreceu a pandemia de coronavírus. Se as pessoas tivessem reduzido cada vez mais seus movimentos, o contágio teria sido limitado

Planeta, biodiversidade e saúde humana

A inter-relação entre mudança climática, perda de biodiversidade e bem-estar humano “é indiscutível”, advertem muitos especialistas, que não têm dúvidas de que todos eles são “questões inseparáveis”.

Com este paradigma como base, em 2010, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) estabeleceu o Plano Estratégico para a Biodiversidade – mais conhecido como as Metas ou Alvos de Aichi – uma estrutura de ação para o ano 2020, a fim de incentivar os países a trabalharem juntos e reduzir a taxa de perda da natureza.

Desde maio passado, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente anunciou que intensificará seu trabalho para mapear as ameaças zoonóticas e reduzir o risco de futuras pandemias, como o coronavírus que a humanidade enfrenta atualmente.

O objetivo é apoiar os países a “reconstruir melhor” após a crise atual através de ciência e políticas mais fortes que apoiem um planeta mais saudável e maior investimento na economia verde.

A resposta da agência abrange quatro áreas: ajudar as nações a administrar os resíduos do Covid-19; proporcionar mudanças transformacionais para natureza e pessoas; trabalhar para garantir que os pacotes de recuperação econômica invistam na resposta a crises futuras; e modernizar a governança ambiental global.

“Com Covid-19, o planeta nos enviou uma mensagem de alerta muito forte: a humanidade tem que reinventar sua relação com a natureza”, disse a diretora executiva de Covid-19, Inger Andersen.

Proteger o meio ambiente, o melhor antiviral

A crise global de saúde do coronavírus salpica em todos os cantos. Em cada notícia, página e rede social, em cada conversa, em casa ou remotamente, sempre falamos sobre o quanto desejamos que termine e que seja um passado distante a ser visto no futuro. Mas há muitas dúvidas.

A relação entre o ser humano e a natureza há muito deixou de ser equilibrada e harmoniosa, causada por uma visão antropocêntrica, onde o ser humano parece ser o umbigo do mundo e age à vontade sobre os recursos naturais querendo mudar as regras do jogo.

Mas… cuidado!, o jogo tomou um rumo, o coronavírus nos “engoliu” e nos mandou para casa. Agora é hora de ser paciente até que possamos sair novamente, começar nossa jornada para continuar “brincando” com nosso planeta, fazendo o que queremos.

Nestes dias confinados em casa e partindo apenas para assuntos de primeira necessidade, tivemos a oportunidade de refletir e observar como o meio ambiente se recupera de algumas de suas principais dores, como a mudança climática, a emissão de gases de efeito estufa e a poluição da água.

Portanto, a tarefa é proteger o meio ambiente, o melhor antiviral e os especialistas já estão considerando quais as possíveis diretrizes que teremos que seguir no campo do meio ambiente quando a crise atual terminar. Diretrizes que serão irremediavelmente afetadas pela necessidade de preservar a biodiversidade.

Todos concordam claramente: a melhor vacina para o futuro da humanidade é proteger a natureza e a biodiversidade e o melhor seguro de vida que pudermos encontrar.

Bem. Até agora, parece que a tarefa deve ser entendida. Mas várias perguntas surgem: o que acontecerá quando o chamado “novo normal” vier?

Será que voltaremos à dinâmica anterior de consumo desenfreado, será que as emissões de gases de efeito estufa terão um efeito de ricochete, será que viajaremos para lugares que estão muito distantes sem primeiro conhecer nosso ambiente imediato?

 A resposta não é clara, ela dependerá de cada um de nós e de nossa responsabilidade ambiental e social.

De acordo com a organização Greenpeace, a hipermobilidade humana foi, acima de tudo, o que favoreceu a pandemia de coronavírus. Na verdade, se as pessoas tivessem reduzido cada vez mais seus movimentos, o contágio teria sido mais limitado. Este é o objetivo do bloqueio.

Mas as doenças infecciosas são favorecidas pelas mudanças climáticas e pela destruição da biodiversidade. Alguns animais, como os mosquitos, estendem seus territórios e, portanto, disseminam doenças infecciosas mais facilmente.

O exemplo da gripe também é surpreendente: como os invernos estão se tornando menos intensos, o vírus agora está ativo por um período mais longo, mesmo durante todo o ano em regiões tropicais.

Globalmente, 14% dos alimentos são perdidos antes de chegarem ao mercado

Alimentos e seu desperdício irracional

A crise do coronavírus é para muitos especialistas e cientistas “a ponta de um iceberg e estamos todos jogando não apenas com nosso futuro, mas com o futuro do planeta”. Mas será que estamos realmente compreendendo e levando isso a sério?

Vejamos apenas um de nossos comportamentos questionáveis: O que fazemos com a alimentação.

Globalmente, 14% dos alimentos são perdidos antes de chegarem ao mercado, e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) lançou uma nova plataforma para ajudar a reduzir esses danos e desperdício pelos consumidores.

A plataforma fornece informações on-line sobre medições, redução, políticas, parcerias, ações e exemplos de modelos de sucesso aplicados para reduzir a perda e o desperdício de alimentos em todo o mundo.

De acordo com a Organização, 690 milhões de pessoas no mundo passam fome atualmente e, se as tendências dos últimos anos não forem invertidas, isto poderia aumentar para 840 milhões até 2030. “Perda e desperdício”, acrescenta, “são um sinal das dificuldades dos sistemas alimentares. Além disso, os alimentos nutritivos são os mais perecíveis e, portanto, os mais vulneráveis. Não apenas eles estão perdidos, mas a nutrição está minada”, disse Lawrence Haddad, da Aliança Global para uma Nutrição Melhorada.

O desperdício se refere ao declínio na quantidade ou qualidade dos alimentos como resultado das decisões e ações dos varejistas, fornecedores de serviços alimentícios, como restaurantes, e consumidores.

A FAO reconhece a medição do desperdício como uma questão complexa, mas salienta que os alimentos que não são consumidos envolvem o desperdício de recursos como mão-de-obra, terra, água, solo e sementes, transporte, armazenamento e o aumento das emissões de gases de efeito estufa em vão.

Temos que mudar a partir nós mesmos

É hora de mudar nossos hábitos para melhorar a vida.

Esta pandemia teve pelo menos a virtude de mudar a tomada de decisões políticas porque talvez seja uma oportunidade de adaptar nosso modelo à emergência climática. Caso contrário, sofreremos apenas uma crise atrás da outra.

É possível e essencial rever nossas prioridades, para decidir entre atividades econômicas úteis para o corpo social e aquelas que são parte do problema.

Comece pela maneira fácil: Desligue a água quando não precisar dela, separe seus resíduos, degradáveis e não degradáveis, leve suas sacolas com você quando for às compras, verifique seu comportamento com os animais, as florestas, os rios, o mar, etc. – eles fazem parte do meio ambiente.

Não se esqueça que eles são o ecossistema e devem ser protegidos.

Comece com as coisas fáceis e adquira o hábito de entender que somos parte desse mesmo ecossistema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *