China versus EUA: a guerra que está só no começo

Por Ulysses Maldonado F.

A tensão entre China e EUA é antiga. As acusações partem dos dois lados sobre questões tecnológicas como 5G, Huawei, matérias-primas, bens, serviços etc. Mas a última gota foi a suspensão do TikTok, que seria banido do país americano. A rede social, proprietária da empresa do gigante asiático Bytedance, representa uma ameaça, segundo o presidente Donald Trump.

A rede WeChat também foi afetada. Os usuários não poderão fazer pagamentos.

Desde 20 de setembro, a rede social, que ganhou muita popularidade nos últimos meses, foi banida.

Em uma declaração, o departamento de Comércio explicou: “A razão para isto é salvaguardar a segurança nacional dos Estados Unidos”.

A disputa entre os dois não é uma competição sobre quem controla certos metais, matérias-primas ou certas indústrias, que também estão no campo de batalha.

O que aparece é a cabeça do iceberg. Dados são o “novo ouro” do século XXI, algo muito visível para ser ignorado pelos rivais de uma “China que pode ser capaz, não só de usar esses dados em seu benefício, no nível da segurança nacional, mas também de moldar novas indústrias”.

“Certamente as relações EUA-China estão em seu ponto mais baixo desde 1979”, resumiu Robert Daly, diretor do Instituto Kissinger sobre a China, do Woodrow Wilson Center.

A verdadeira guerra travada pelos dois gigantes é sobre o domínio global das novas tecnologias, incluindo a 5G e, claro, tudo o que tem a ver com as redes sociais.

O Cinco Olhos, ou Five Eyes, é a aliança de espionagem formada pelas grandes nações anglo-saxônicas: Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. O Reino Unido era o único país do grupo que ainda mantinha a porta aberta para Huawei.

Hoje existe um mundo que parece estar dividido em dois por uma “cortina de ferro tecnológica”. Já na China, os chamados BATX (Baidu, Alibaba, Tencent, Xiaomi), aproveitando a proibição em todas as redes sociais e motores de busca estrangeiros, substituíram o GAFA (Google, Apple, Facebook, Amazon) e têm suas próprias ambições internacionais.

Os gigantes de pagamento por cartão de crédito (Visa, Mastercard, American Express), que são penalizados na China por legislação muito restritiva, são marginalizados pelos jogadores chineses (Alipay, WeChat, UnionPay) e pela tendência de pagamentos por smartphone.

Sobre a questão da geolocalização, a China já tomou espaço e abriu distância do GPS americano e concebeu seu próprio sistema de navegação por satélite, Beidou. Esta, como política de garantia de independência estratégica e econômica, é apoiada por uma rede de cerca de 30 satélites e estará totalmente operacional em todo o mundo a partir deste 2020.

A questão das patentes é também a outra área de conflito uma vez que, de acordo com a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), os Estados Unidos estão em primeiro lugar há quatro décadas no número de patentes depositadas internacionalmente, mas a China poderia ultrapassá-la até 2020.

Em 2017, duas empresas chinesas dominaram o pódio global: a Huawei (4.024 aplicações) e a outra gigante chinesa de telecomunicações ZTE (2.965 patentes). A primeira empresa americana estava apenas em terceiro lugar: Intel (2.637).

O caso da rede TikTok

Trump disse que a TikTok “estaria fechada nos Estados Unidos” a partir de 15 de setembro se a matriz chinesa, ByteDance, não a vendesse.  Em sua cruzada contra a plataforma, ele tem apontado repetidamente razões de segurança nacional como motivo para querer retirá-la do país.

É também a primeira empresa chinesa que conseguiu se posicionar desta maneira globalmente, e aqui temos uma questão interessante. A empresa ByteDance consegue isto através de uma inovação em termos de uma nova forma de usar algoritmos que permite aos usuários permanecerem on-line por mais tempo, mais tempo na rede social.

TikTok está se tornando, alguns dizem, uma espécie de laboratório de inteligência artificial e neste sentido não é que tudo comece com esta aplicação, mas aparece como um novo elemento da competição entre os Estados Unidos e a China pelas tecnologias mais recentes.

A China, que está cheia de empresas americanas, proibiu o Facebook, Twitter e muitas aplicações e tem as suas próprias. Tem muitas aplicações americanas e empresas proibidas de entrar em seu território. Tem espionagem suficiente através de “empresas tradicionais”.

O presidente assinou uma ordem executiva proibindo qualquer transação ou negócio com a ByteDance após 45 dias, o que vai um pouco além da data de 15 de setembro que Trump havia marcado a TikTok para vender seu negócio ou deixar o país.

“Os Estados Unidos devem tomar medidas agressivas contra os proprietários da TikTok para proteger nossa segurança nacional”, disse Trump no texto da ordem executiva, que também proíbe por razões similares qualquer negócio ou transação após 45 dias com a empresa tecnológica chinesa Tencent para sua aplicação WeChat.

Em uma declaração oficial da TikTok, eles disseram que estavam “surpresos”. “Por quase um ano, temos tentado trabalhar de boa fé com o governo dos EUA para fornecer uma solução construtiva para as preocupações que eles têm expressado.

Em vez disso, o que descobrimos foi que a administração dos EUA não prestou atenção aos fatos e ditou os termos de um acordo, sem passar pelos procedimentos legais adequados, e tentou se envolver nas negociações realizadas entre empresas privadas”, acrescentaram eles.

Por que a Microsoft compraria a TikTok?

Adquirir as operações da TikTok nos EUA, Canadá, Austrália e Nova Zelândia poderia beneficiar muitas das empresas da Microsoft, além de posicioná-la como uma verdadeira concorrente do YouTube e do Facebook.

O que parece claro é que a chave para qualquer acordo que uma empresa possa ter com a TikTok são os dados e usuários aos quais ela terá acesso.

Por outro lado, se o procedimento fosse feito como a Microsoft configurou, seria a primeira vez que uma rede social seria dividida por países. Isto leva a várias dificuldades, incluindo aquelas relacionadas aos investidores, e é por isso que a Trump fez saber que a compra será para todo o serviço ou não.

Enquanto isso, o Facebook tem outros planos: A última tentativa da Instagram, uma plataforma de propriedade da empresa de Mark Zuckerberg, de caçar a Geração Z é a Reels, um recurso para a criação e publicação de vídeos curtos que parece ter a intenção de ofuscar o TikTok e vem em um dos piores momentos para a aplicação chinesa.

Zhang Yiming, fundador e CEO da ByteDance, disse na mídia chinesa que “eles ainda não encontraram uma solução final para a venda de seus negócios nos Estados Unidos para uma empresa americana.

Zhang, em uma carta interna aos funcionários da empresa, disse que “não concorda com a decisão” de vender sua subsidiária americana imposta por Washington, já que “eles sempre se comprometeram a proteger os dados dos usuários e a manter a neutralidade e a transparência” da TikTok.

“Ainda não encontramos uma solução final, mas considerando a situação internacional atual, temos que enfrentar a ordem do presidente dos EUA para proibir o TikTok e a decisão do CFIUS”, disse o fundador da rede social popular. Zhang acrescentou que eles não descartam “qualquer possibilidade”.

TikTok, de propriedade da empresa chinesa ByteDance, é a aplicação mais baixada do mundo, com mais de 800 milhões de usuários em todo o mundo e 80 milhões de usuários nos Estados Unidos. É a única rede social deste tamanho que não pertence a uma empresa americana.

O Ministério das Relações Exteriores chinês se opõe à venda forçada do TikTok, uma operação que, em sua opinião, viola os princípios da Organização Mundial do Comércio (OMC).

A situação é que, de qualquer forma, na realidade atual, aqueles que atuam na mídia, nas esferas política, social ou cultural dificilmente podem ignorar as RSDs comerciais mais concorridas. Quer queiramos ou não, eles já ocupam um lugar cada vez mais central na vida pública e, como tal, constituem um espaço de disputa para interagir com amplos públicos.

O que existe entre os EUA e a China é mais uma luta pela hegemonia militar e política e o TikTok é um grande exemplo: um mercado de 800 milhões de pessoas que o utilizam e podem ser anunciados, é claro que é um mercado muito interessante e é um dos espaços pelos quais a China e os EUA estão realmente lutando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *