12 °C
Reino Unido

Parlamento britânico registra cerca de 160 acessos diários a site pornográficos

|


Parlamento

Foto: Reprodução/ Tentativas de acesso foram feitas a partir de computadores e outros dispositivos conectados à rede parlamentar.





(LONDRES) Da redação - Dados oficiais publicados pela imprensa mostram como se comporta a internet do centro do poder em Londres. De acordo com informações publicadas pelo jornal The Guardian, no começo do mês de janeiro, foram efetuadas mais de 24 mil tentativas de acesso a sites pornográficos no Parlamento britânico, isso se contar apenas o período desde as eleições gerais, entre junho e outubro do ano passado.



O número exato é de 24.473 tentativas e representa uma média de cerca de 160 pedidos por dia. Os pedidos de acesso partiram de computadores e outros dispositivos móveis, conectados à rede parlamentar - destinada a deputados e funcionários - entre junho e outubro do ano passado.


Esses dados só foram divulgados depois que houve um pedido da Associação de Imprensa do Reino Unido. O que na prática mostra um aumento dessa prática em relação ao mês de setembro, que contou com 9.467 pedidos de acesso a esses sites, tanto da Câmara dos Lordes quanto da Câmara dos Comuns.


Porém, este número é o mais baixo que os registrados nos anos anteriores, mostrando uma diminuição acentuada no número de tentativas de acesso à pornografia. Em 2016, o sistema de filtragem parlamentar bloqueou 113.208 tentativas, contra 213.020 em 2015.


Em relação aos números de janeiro e fevereiro de 2017, esses não poderiam ser fornecidos pelas autoridades parlamentares, devido a mudanças na tecnologia e na forma como os dados são mantidos. No entanto, os dados disponíveis mostraram que houve 30.876 tentativas de março a outubro.


"Todos os sites pornográficos são bloqueados pela rede informática do Parlamento. Existem 8.500 computadores na rede parlamentar, que são utilizados por deputados e funcionários. Esses dados também cobrem dispositivos pessoais, usados quando conectados ao wi-fi do Parlamento ", explicou um porta-voz.