8 °C
Países Lusófonos

​Data histórica: eleições presidenciais em Angola serão no dia 23 de agosto

|

CNE eleicoes KindalaManuel JAIMAGENS620x414

Presidente José Eduardo dos Santos está no poder desde 1979 (Governo de Angola)


Da Redação (Londres) - O Conselho da República deu parecer favorável, por unanimidade, à data proposta pelo atual presidente de Angola, José Eduardo dos Santos. O mandatário havia proposto 23 de agosto para realização das eleições presidenciais. Será a primeira vez que os angolanos votarão para presidente após 38 anos.



O fato foi divulgado após José Eduardo dos Santos se reunir com o Conselho da República e afirmar que estavam “praticamente criadas” as condições necessárias para convocar o pleito. O líder fez o anúncio no Palácio Presidencial, durante a abertura da 32ª reunião do Conselho da República, que convocou para decidir “qual a melhor data” para a realização das eleições gerais.



Presidente promete eleições justas



“Todas as condições de natureza política, legislativa, financeira e logística e de segurança e de ordem pública estão praticamente criadas, para que as eleições gerais decorram de forma transparente e sem quaisquer constrangimentos sobre os seus principais protagonistas, por forma a que sejam consideradas pela opinião pública nacional e internacional como livres, justas e credíveis”, disse José Eduardo dos Santos. 


Antes da reunião, João Lourenço, candidato do MPLA às eleições de agosto, foi empossado como membro do órgão consultivo da presidência.



Na semana passada, a Comissão Nacional Eleitoral de Angola informou que o país tinha as condições materiais, humanas, técnicas e financeiras para realização das eleições gerais de 2017.



Por lei, o pleito tem de ser convocado até 90 dias antes do fim do mandato do presidente da República e dos deputados da Assembleia Nacional. Além disso, a votação deve ocorrer até trinta dias antes do fim do mandato.


José Eduardo dos Santos, líder do MPLA, governa angola desde 1979, pouco tempo depois da independência do país. Críticos do governo afirmam que falta liberdade política em Angola.


Segundo José Eduardo dos Santos, o foco do seu partido deve ser a obtenção de uma vitória eleitoral expressiva que garanta ao MPLA a implementação do seu projeto de sociedade, de unidade nacional e desenvolvimento econômico, político e cultural”.