12 °C
Esporte

Após criticar culinária carioca, ‘NY Times’ destaca sucesso dos jogos Rio 2016

|


NYTimes

Foto: Ny Times


Por Julio Rocha


Os americanos do “The New York Times” declararam “guerra” aos cariocas após reportagem do sábado, dia 13, afirmar que o tradicional biscoito de polvilho vendido nas praias do Rio, o biscoito Globo, é “sem gosto, assim como a culinária local”. Mas na segunda-feira, dia 15, um editorial assoprou a mordida do dia anterior destacando o sucesso dos jogos olímpicos do Rio. A mesma publicação fala que estão “cansados das histórias negativas sobre o Brasil”. “O mundo desenvolvido não gosta que países em desenvolvimento organizem um grande evento esportivo”, afirmaram os novaiorquinos.


O jornal fez também um balanço das transformações do Brasil nos últimos 30 anos. O jornalista Roger Cohen, afirma no editorial que o Brasil tem crescido, mas que seus problemas persistem. Ninguém, segundo ele, pode negar que o Brasil tem um grande papel no século XXI. “Como qualquer um que vai os Jogos Olímpicos deve sentir, o Brasil tem uma poderosa e alegre cultura nacional. É a terra do 'Tudo bem’”.


“Estou cansado, muito cansado, de ler histórias negativas sobre estes jogos no Brasil: violência nas favelas relacionadas com o tráfico de drogas, o contraste social entre ricos e pobres, as dificuldades organizacionais ocasionais, o doping envolvendo atletas da Rússia, o mosquito aedes-aegypti, o dinheiro que supostamente poderia ter sido gasto melhor do que a ampliação do Metrô que agora vai do centro para a Barra da Tijuca”, diz o “NYT”.


O New York Times afirma também que a Rio 2016, assim como a Copa do Mundo da África do Sul em 2010, foram alvo de críticas porque “o mundo desenvolvido não gosta que um país desenvolvido organize grandes eventos”. “Não me lembro de reportagem indo até os mais pobres de Londres para encontrar pessoas dispostas a resmungar sobre os Jogos Olímpicos de 2012”, pondera.


“Estes Jogos Olímpicos são bons para o Brasil e bom para a humanidade, um tônico necessário. Assista Usain Bolt ou Simone Biles e sinta-se bem”, aconselha, afirmando que a vitória de Rafaela Silva no judô é uma inspiração e a imagem favorita das olimpíadas. Houve destaque, também, para a cerimônia de abertura. “Magnífica”, diz o jornal americano.