10 °C
Mundo

Ataque com carro-bomba no centro de Bagdá deixa pelo menos 200 mortos

|


BNNP729 Mundo Bagda

Vários edifícios foram destruídos durante a ação

Foto : Agência Efe


Da redação


Pelo menos 200 pessoas morreram e 250 ficaram feridas em um ataque com um carro-bomba perpetrado na madrugada deste domingo (3) em uma área comercial do centro de Bagdá, capital do Iraque. O ataque foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

O veículo foi detonado por um militante suicida em meio ao grande grupo de pessoas que passeava pela região de Al Karrada por volta de 1h (hora local, 1h na Inglaterra). A explosão atingiu especialmente famílias e pessoas jovens muçulmanas, que aproveitavam o verão e a noite para quebrar o jejum após o pôr-do-sol no mês do Ramadã.

A explosão destruiu e incendiou vários edifícios em Al Karrada, no centro da capital iraquiana, onde a maioria da população é xiita.

O EI assumiu a autoria do atentado em comunicado assinado e divulgado nas redes sociais, afirmando que os xiitas eram de fato o alvo.

O ataque, o mais letal realizado na cidade este ano, se dá após uma série de vitórias do exército iraquiano, apoiado pela coalizão ocidental liderada pelos EUA, contra o EI, que ainda controla partes do território e a segunda maior cidade do país, Mosul.

O primeiro-ministro iraquiano, Haidar al Abadi, visitou o local na manhã deste último domingo (3) e afirmou que os extremistas “após terem sido esmagados nos campos de batalha, cometem ataques com explosivos em uma tentativa desesperada”.

A população presente no local não recebeu bem a visita do chefe do governo, saudando-o com gritos de “ladrão” e atirando pedras contra seu comboio.

Pouco depois deste ataque, outro carro bomba explodiu no mercado popular Shalal, situado na região de Al Shaab, no nordeste de Bagdá e de população também majoritariamente xiita.

Pelo menos cinco pessoas morreram e 16 ficaram feridas neste segundo ataque, que ainda não foi reivindicado por nenhum grupo.

O Iraque trava uma luta contra o EI desde junho de 2014, quando o grupo extremista assumiu amplas regiões do norte e do centro do país e proclamou um califado.