3 °C
Cultura & Lazer

BNNP entrevista Maureen Miranda

|

MaureencomBNNP

Fotos: Beth Kress


(LONDRES) Por Patrícia Blumberg


Artista plástica e atriz, Maureen Miranda presenteou o Boteco Made in Brasil em Candem Town com uma belíssima exposição aberta ao público, entre os dias 23 e 27 de junho.

Intitulada “O universo feminino”, a mostra itinerante dá nome a sentimentos, desejos e às ações que passam por Maureen nos vários momentos de seu dia.


“Ela é a vontade que tenho de desenhar a beleza do meu mundo mulher”, exemplifica a artista sobre o conceito das obras. “Continuando essa brincadeira, resolvi desenhar tudo o que me ‘assaltava’, desde as coisas mais simples até um livro inteiro numa única palavra”, insiste. O resultado é uma obra que, segundo Maureen, nunca tem fim.


Maureen Miranda utiliza caneta à base de água, colagens, nanquim e bico de pena. Em Londres, a mostra reuniu 60 trabalhos, em diferentes linguagens e formatos, que revelam traços fugazes do universo feminino e do mundo imaginário da artista.

Maureen1

Fotos: Beth Kress


Formada em Publicidade e Propaganda, Maureen também atua como atriz, figurinista e diretora teatral. Colaborou como ilustradora para marcas como Colcci, Cavalera e Thaís Gusmão; veículos como Folha de S. Paulo, Revista Gloss e Joyce Pascowitch. A artista atua na novela "I love Paraisópolis" em exibição pela TV Globo Internacional.


Por entre palavras doces, transbordadas de encantamento, Maureen dividiu um pouco do seu universo particular com o BNNP.


BNNP: Maureen, por que o universo feminino?
MM
:Eu não conheço outro universo, não conseguiria decifrar o lado masculino, por exemplo. Já tentei desenhar homens, mas não sai, não liga. Esse é o universo que vivo, que conheço bem e que identifico dores e prazeres. Eu gosto de ser mulher.


BNNP: E o que você quis buscar com essa mostra?
MM
: Cada quadro exposto tem uma história. Eles revelam os momentos que vivi, as pessoas que conheci, os livros que li, filmes que vi. Se você reparar bem, pode encontrar diversas referências nas minhas pinturas, como por exemplo do livro “1Q84”, do japonês Murakami, que eu amo; da música de Amy Winehouse; da poesia “Sono”, do Caetano; e do último livro que li, “Teoria geral do esquecimento”, de José Eduardo Agualusa. Tudo isso é um universo bem particular. Eu busco retratar todos esses sentimentos e passar beleza para as pessoas. Acho que busco exatamente emocionar através da beleza e não tenho vergonha em dizer isso.


BNNP: Você acha que a mulher traz, de certa forma, essa beleza que você tanto busca?
MM
:Com certeza. Nossos traços são lindos e nosso lado lúdico traz a inspiração para encontrar pequenas belezas cotidianas.


Maureen2

Fotos: Beth Kress


BNNP: Além da mulher, a mostra também traz diversas referências exotéricas, como anjos ou zodíaco...
MM
:Completamente.Eu acredito muito em entidades superiores, regendo nossos caminhos e ajudando nossas experiências. Eu sempre faço homenagens a entes superiores e nunca deixo de lado meus princípios místicos.

BNNP: Sua última exposição falava sobre insônia, não é?
MM
: São vários sentimentos. Teve uma época em que eu tinha muita insônia, muita crise de ansiedade. Eu desenhava de madrugada e meu trabalho refletia essa angústia, refletia a madrugada. Era, um pouco, coisas sobre seres imaginários, cores que voam, gritos de exaltação à vida e choros sussurrados no ouvido. Tudo muito paradoxal. Já “O universo feminino” reflete o momento que passo agora, de gostar de mim, de gostar da fase que estou vivendo. São desenhos coloridos e animados.


Maureen3

Fotos: Beth Kress


BNNP: E esse momento tem algo a ver com a novela “I love Paraisópolis”? Ela tem feito muito sucesso pela Globo internacional...

MM:Eu passei vergonha no aeroporto de Portugal, acredita? Um fotógrafo saiu correndo para fazer foto minha. Não estou acostumada com isso. A recepção lá foi realmente muito bacana, as pessoas têm gostado muito. Por incrível que pareça, elas assistem mais novela brasileira do que portuguesa.


BNNP: E você também expôs seu trabalho por lá?
MM
:Sim. Passei um mês em Portugal e fiz duas exposições. Também foi genial, porque uma empresa de papel de parede quis adotar meu trabalho para a nova coleção. Depois de Londres vou a Nova York e volto a Portugal para uma nova exposição que começa no dia 5 de julho. O trabalho não para.


BNNP: E em algum momento pretende sossegar no Brasil?
MM: Tenho ateliês em Curitiba e no Rio de Janeiro, mas sou cidadã do mundo. Meu negócio é andar por aí...