11 °C
Londres

|


Por Patricia Blumberg

Fotos de Alessandro Alves

 

Lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e simpatizantes reuniram-se em Londres para mais uma celebração do orgulho contra o preconceito.

 

Chegando à 43ª edição no sábado (25), a London Pride 2016 contou com mais de 50 mil pessoas e 300 organizações que, em marcha, caminharam da Oxford Street rumo à famosa Trafalgar Square.

 

Sob uma tempestade atípica, a Parada não só levantou um mar de purpurina como ganhou expressiva onda política.

 

Patsy e Eddy, atrizes do seriado Absolutely Fabulous, abriram oficialmente a marcha com um discurso bonito e divertido contra o preconceito.

 

“Hoje é dia de manchar as bochechas com muito batom”, disse Patsy em cima do carro elétrico decorado com gigantesco salto alto.

 

Após o discurso, participantes permaneceram em silêncio por um minuto em memória às vítimas do massacre da boate Pulse, na cidade de Orlando, nos EUA, ocorrido em 12 de junho.


foto : DailyMail


Por conta desse recente atentado, a segurança este ano recebeu ajuda especial: 100 policias metropolitanos e 200 militares reforçaram a vigilância prevista para a comunidade gay.

 

A London Pride 2016 ficou marcada pelo resultado histórico do referendo do dia anterior, que resultou na saída do Reino Unido da União Europeia. Brexit foi certamente o tema mais citado nos discursos políticos da passeata.

 

O brasileiro Felipe Szuc, que acompanhou a marcha desde a saída em Oxford Street, contou para o BNNP que também estava nas ruas para entender um pouco melhor a opinião dos londrinos sobre o Brexit e se levantar contra o preconceito e a xenofobia.


 


“Apoio muito a Parada do Orgulho Gay em qualquer lugar do mundo, mas este ano, em Londres, ela ganhou um tom muito político. Quis aproveitar a reunião de tanta gente da cidade para conversar com as pessoas e conseguir entender todo esse caos. Esse é um momento especial para celebrar o orgulho gay, mas também para nos levantarmos contra o preconceito e a xenofobia”, disse Felipe, que está em Londres há mais de dois anos e tem cidadania polonesa.

 

O novo prefeito de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, discursou ao final da marcha diretamente à população europeia, que mora na capital britânica.


 

Khan sublinhou que a comunidade LGBT pode e deve se sentir em casa. “Todos são bem-vindos. Londres é uma cidade onde os moradores aceitam e participam da diversidade e da multiculturalidade. Isso ficou claro no referendo. Vamos manter nossa serenidade e fazer de Londres um local em que todos se sintam em casa”.

 

Pela primeira vez em 43 anos, os famosos Red Arrows (Grupo acrobático da Real Força Aérea) sobrevoaram sobre a London Pride, e uma bandeira com arco-íris foi levantada no Parlamento.


 

BOX

 

 

Por que Junho?

 

Uma batida policial no bar Stonewall, frequentado por gays e lésbicas em Nova York, em 1969, deu o pontapé para a primeira parada do orgulho LGBT do mundo. A prisão e o espancamento de várias pessoas levou 2.000 manifestantes às ruas da cidade no dia 28 de junho daquele ano.

Desde então, o mês de junho se tornou o dia oficial do orgulho gay. As manifestações no bairro de Greenwich Village, na ilha de Manhattan, deram início a um movimento pelos direitos civis dos cidadãos homossexuais que conseguiu vários avanços nas últimas quatro décadas. A homossexualidade deixou de ser considerada crime e doença em vários países e muitos outros passaram a permitir o casamento entre pessoas de mesmo sexo.

 

Hoje em dia, praticamente todos os países europeus e vários outros das Américas possuem suas paradas de orgulho gay.