18 °C
Home

Riscos das “drogas legais” agora proibidas no Reino Unido

|

BNNP724 Reino Unido Drogas

Foto: PA / Substâncias imitam efeitos de drogas como ecstasy e maconha


(LONDRES) Da Redação - Leis proíbem produção, distribuição e comércio das drogas legais. Dispostas em embalagens coloridas na maioria das vezes, elas imitavam efeitos de drogas como maconha, cocaína e ecstasy, porque contêm substâncias químicas ilegais.


Também conhecidas como novas substâncias psicoativas, as drogas são vendidas sob nomes como spice (especiaria) ou black mamba (mamba-preta - nome de cobra venenosa africana). São geralmente engolidas ou inaladas, embora existam relatos de versões injetáveis - e provocam efeitos estimulantes, sedativos ou psicodélicos.


Dentre elas está a sálvia (planta da espécie Salvia divinoru, proibida no Brasil) e o óxido nitroso, conhecido como gás do riso, comumente inalado a partir de balões de festa e que pode ser fatal se usado em excesso.


No ano passado, as drogas legais foram ligadas a mortes de mais de cem pessoas no Reino Unido, bem como ao aumento da violência em prisões. Segundo autoridades de saúde britânica, podem levar a quadros de paranoia, convulsões e coma principalmente se misturadas com álcool ou outras drogas.


Pessoas que desrespeitarem a proibição serão enquadradas na Lei de Substâncias Psicoativas. A pena é de até sete anos de prisão.



Buscas policiais

Com a mudança, policiais britânicos também podem fechar headshops, lojas que vendem produtos relacionados a essas drogas, e sites que as oferecem. Proposta no ano passado pelo governo, a Lei de Substâncias Psicoativas passou por intenso exame. As expectativas eram de que as medidas entrariam em vigor em abril, mas a data acabou adiada.


Antes da proibição, uma pesquisa realizada pela YMCA, organização cristã que atua com adolescentes, apontou que cerca de dois terços dos jovens que utilizam essas drogas tendem a fazer uso delas no futuro.


Há temor de que o banimento leve pessoas que vendem drogas legais a continuar o comércio na chamada dark web, área da internet em que estão hospedados sites, cujos responsáveis são difíceis de descobrir e não são localizáveis pelos sistemas tradicionais de busca.