7 °C
Brasil

Estupro coletivo no Brasil choca o mundo

|


BNNP724 Brasil Estupro

Foto: Reprodução / Manifestação feminista levanta bandeiras sobre a importância de discutir estupro


(LONDRES) Da Redação - A recuperação da adolescente, vítima de estupro coletivo no Rio de Janeiro, exigirá amplo trabalho psicológico e psiquiátrico. Na opinião de especialistas, o método de tratamento será semelhante ao aplicado em casos de sobreviventes de guerras e conflitos militares. A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) acompanha o caso e vai garantir o atendimento da vítima.


O caso que chocou o país foi revelado na última quarta-feira, quando suspeitos de praticar o crime publicaram vídeos da vítima nas redes sociais. A jovem (16) teria sido abusada por mais de 30 homens. As imagens incluíam vários comentários agressivos e piadas sobre a adolescente, que aparece desacordada após o abuso.

Internautas denunciaram as publicações à polícia, e Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática do Rio já investiga o crime. A vítima realizou exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), mas ainda está abalada emocionalmente com o acontecido.

Segundo a psicóloga clínica Sylvia Flores, o método de tratamento nesses casos é o mesmo utilizado para recuperar pessoas que sobreviveram a conflitos. “O tratamento caminha no mesmo sentido de vítimas de violência severa, como guerras ou atrocidades civis. A simples terapia não vai resolver”, recomenda a psicóloga.

O restabelecimento emocional da adolescente será fundamental, inclusive para lidar com o machismo e preconceito ainda presente na sociedade brasileira. “Ela precisa voltar a se sentir empoderada sobre a própria vida e a si mesmo, até mesmo para que possa servir de exemplo na luta de tantas mulheres que sofreram e sofrem abuso. Para isso é fundamental tempo e apoio da família”, acrescenta.

Leia em nossa mídia on-line mais informações sobre o caso (www.noticiasemportugues.co.uk)


Dados tristes de uma realidade perversa


O caso de estupro coletivo, reportado neste mês, reabriu o debate sobre a existência da chamada “cultura do estupro” no Brasil. Esse debate é travado com base numa série de elementos culturais e também dados estatísticos. O BN Notícias em Português reúne a seguir alguns deles:


  • Levantamento do Ipea, feito com base nos dados de 2011 do Sistema de Informações de Agravo de Notificação do Ministério da Saúde (Sinan), mostrou que 70% das vítimas de estupro no Brasil são crianças e adolescentes.
  • De acordo com os dados mais recentes, em 2014 o Brasil tinha um caso de estupro notificado a cada 11 minutos. Apesar da pequena queda ante 2013, 47,6 mil pessoas foram estupradas naquele ano. Como apenas de 30% a 35% dos casos são registrados, é possível que a relação seja de um estupro a cada minuto.
  • Em geral, 70% dos estupros são cometidos por parentes, namorados ou amigos/conhecidos da vítima, o que indica que o principal inimigo está dentro de casa, e que a violência nasce dentro dos lares.