7 °C
E-Londres

Por que o volante é do lado direito, e as pessoas dirigem do lado esquerdo?

|


Carlondon


(LONDRES) Por Érico Maia - Cerca de um quarto dos carros no mundo são dirigidos no lado esquerdo das ruas, com o volante/motorista no lado direito do carro, e isso ocorre em países que foi, na sua maioria, antigas colônias britânicas.

A principal exceção é o Japão, que adotou o mesmo sistema e não foi uma colônia britânica. A razão disso pode ser perfeitamente explicada, com base na História da comunidade europeia.


Até o final dos anos 1700 (século XVIII), todos viajavam no lado esquerdo da estrada, assim como é hoje no Reino Unido, porque era a opção sensata em épocas medievais, em que na maioria das sociedades a violência era comum, tais como duelos inesperados durante qualquer viagem.

Cavaleiros medievais geralmente eram destros e para proteger suas espadas, quando não estavam em lutas, sempre se mantinham à esquerda ao cruzar com pessoas no caminho. Durante a luta, a maioria empunhava a espada com a mão direita, o que exigia estar no lado esquerdo da rua.


A França revolucionária, no entanto, anulou essa prática como parte de suas modificações no modo de pensar da sociedade. A mudança foi realizada em toda a Europa continental por ordem direta de Napoleão.

A razão do imperador ao dar essa ordem foi em razão de ser canhoto. Por isso ordenou que todos os exércitos andassem do lado direito das estradas, assim poderia manter a espada na mão esquerda, em qualquer batalha contra oponentes que cruzassem seu caminho. Assim sendo, em carruagens francesas, o cocheiro ficava do lado esquerdo do veículo, como temos o volante do mesmo lado nos carros do Brasil.


A partir de então, em todos os países, que em algum momento sofreram colonização britânica, continuou-se a conduzir cavalos e carruagens no lado esquerdo das estradas e em outras regiões colonizadas pelos franceses ou dominadas por Napoleão adotou-se o lado direito da rua.

Na América, franceses colonizaram os estados do sul dos Estados Unidos (Louisiana, por exemplo) e a costa leste canadense (Quebec); holandeses colonizaram Nova Iorque ou New Amsterdam; espanhóis e portugueses colonizaram a 


América Latina. Então os britânicos acabaram sendo uma minoria na formulação do “tráfego” mundial, pois tanto holandeses, espanhóis e portugueses foram dominados por Napoleão por determinado período, sendo essas sociedades obrigadas a “adotar” suas regras.

A prática de dirigir do lado direito da rua e o motorista no lado esquerdo do carro foi adotada pelos EUA com facilidade, pois estavam ansiosos para abandonar todas as possíveis ligações com o seu passado colonial britânico.


Como o estouro da produção em massa de carros iniciado nos Estados Unidos, com Henry Ford e outros, durante muito tempo os bons e confiáveis veículos eram produzidos somente no padrão americano (francês), fazendo com que outros países que não tinham nada a ver com Napoleão, adotassem o mesmo lado, pois não tinham produção interna de veículos e precisavam importar.

Hoje é desejo da União Europeia que o Reino Unido adote o mesmo lado da Europa, mas para desespero de quem o visita e se atrapalha com o costume, isso já não é possível, pois custaria milhares de milhões de libras para mudar tudo, desde ruas e sinalizações até a reeducação de todos os motoristas.


O último país europeu a se converter para condução no modelo francês, do lado direito da rua, foi a Suécia (1967). Mas na Era Napoleônica bastava um decreto do imperador, hoje em dia é um pouquinho mais complicado.

-


Para ler mais acesse: elondres.com