14 °C
Mundo

Papa pede mais tolerância com divorciados e homossexuais

|


Foto2papa


(LONDRES) Da Redação -  O dia 8 de abril pode ser considerado de mudanças, ainda que lentas, para os católicos do mundo. Na sexta-feira da semana passada, o Vaticano divulgou as novas diretrizes do papa Francisco para a vida das famílias cristãs. E segundo o pontífice, a Igreja deve se adaptar à realidade moderna e ser mais compreensiva com divorciados e acolher homossexuais.



Francisco é considerado o papa mais liberal da história. Ele vem fazendo uma série de reformas modernizantes na Igreja. Um dos objetivos é conquistar mais fiéis pelo mundo. No texto intitulado “A alegria do amor”, o papa pediu mais integração aos católicos.


As diretrizes são a conclusão de dois anos de debate na Igreja. Francisco disse que deve haver menos julgamento e mais compreensão, e que os divorciados precisam acolhidos pela Igreja, apesar de continuarem proibidos de comungar.


Além disso, o papa afirmou que todos os indivíduos, independentemente de orientação sexual, devem ser respeitados, e não agredidos. O trecho foi bem recebido por associações e defensores dos direitos da população LGBT.



Em outro momento do texto, Francisco diz que os bispos devem adaptar a doutrina católica à cultura e tradições de cada país. Para que isso seja feito, o pontífice pediu apenas que o “bom senso” fosse usado.

Apesar do tom modernizante, Francisco condenou o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Além disso, afirmou que uma família é constituída ente homem e mulher e para gerar filhos.



O papa disse ainda que a contracepção deve ser natural e que a educação sexual não deve ser tão focada em proteção, mas em amor.


O documento, de mais de 250 páginas, leva em conta a opinião de famílias católicas do mundo todo, que responderam a um questionário enviado pelo Vaticano, e é ainda o resultado de dois sínodos (encontro de bispos e cardeais).


Segundo especialistas, as mudanças são gradativas e lentas, mas o tom do texto é de mais tolerância. Na opinião dos conservadores, um passo ousado. Mas na visão de quem esperava grandes transformações, uma ducha de água fria.