19 °C
Europa

Após atentado, aeroporto de Bruxelas é reaberto parcialmente

|

Foto2AeroportoBruxelas

Benoit Doppagne - Reuters / Previsão é de que o aeroporto só volte a operar normalmente no final do ano 


(LONDRES) Da Redação - O aeroporto internacional de Zaventem, em Bruxelas, foi reaberto parcialmente no domingo (3) para a realização de três voos “simbólicos”, segundo explicaram as autoridades. O local foi cenário de um ataque terrorista no dia 22 de março, quando dois suicidadas detonaram bombas que carregavam presas aos seus corpos. Pouco depois, um terceiro homem bomba se explodiu na estação de metrô de Moelbeek. Ao todo, 35 pessoas morreram e 340 ficaram feridas.


A previsão é de que ainda leve vários meses até o aeroporto funcionar normalmente. O terminal de embarque ficou destruído devido ao atentando. O primeiro voo a sair de Bruxelas no domingo partiu para Faro, em Portugal. Os outros dois voos foram para Atenas, na Grécia, e Turim, na Itália.

O presidente do Brussels Airport, Arnaud Feist, afirmou que os voos são "um sinal de esperança que demonstra nossa vontade e nossa força para superar este desafio e não se render".


A reabertura parcial ocorreu sob um forte aparato de segurança. O acesso de veículos ao local era restrito. Passageiros foram orientados a chegar com três horas de antecedência ao local.

A partir desta semana o número de voos aumentará gradativamente. Cerca de 200 trajetos deverão operar, inclusive para destinos em outros continentes. A Brussel Airlines estima em 5 milhões de euros os prejuízos diários causados pelo fechamento do aeroporto.


Diante dos grandes estragos no terminal de embarque, onde o teto desabou e pilares e janelas ficaram destruídos, a estimativa é de que serão necessários vários meses para recuperá-lo. Uma estrutura temporária foi montada no aeroporto para substituir o espaço.

No momento, cerca de 800 passageiros podem ser registrados por hora, o que representa 20% da capacidade do aeroporto em pleno funcionamento. De acordo com a imprensa belga, o aeroporto atingirá no máximo 40% de sua capacidade normal nos três meses de verão na Europa. A recuperação total deverá ocorrer somente no fim do ano.