18 °C
Vida e Estilo

Estudo que durou 75 anos mostra que relações de qualidade são a chave para o bem-estar

|


Idososfelizes


(LONDRES) - Por Natália Baffatto - Uma pesquisa realizada durante 75 anos nos Estados Unidos mostrou que não é uma carreira de sucesso, a fama ou os bens adquiridos durante a vida a fórmula da felicidade para uma jornada tranquila.


Segundo o estudo, as relações íntimas e de qualidade com a família, os amigos e a própria comunidade são a chave para uma vida saudável e de bem-estar.


Os resultados e as conclusões dessa pesquisa, promovida pela Universidade de Harvard e intitulada de “Estudo do Desenvolvimento Adulto”, foram discutidas e reveladas pelo diretor, que também é psiquiatra e psicanalista, Robert Waldinger, numa conferência do TED 2015.


“As pessoas que têm mais ligações sociais com a família, os amigos e a comunidade são mais felizes, fisicamente mais saudáveis e vivem mais tempo do que as pessoas que têm menos relações. A experiência da solidão acaba por ser tóxica. As pessoas que são mais isoladas do que gostariam descobrem que são menos felizes, a saúde piora mais depressa na meia-idade, o funcionamento cerebral diminui mais cedo. Vivem menos tempo do que as que não se sentem sozinhas”, concluiu Waldinger.


Para chegar a essa conclusão, a pesquisa acompanhou durante 75 anos o trabalho, a vida doméstica e a saúde de 724 homens, ano após ano, além da realização de exames médicos. O estudo passou a incluir suas esposas, e por volta de 60% dos pesquisados, a maioria com 90 anos, ainda participam da análise.


Waldinger ainda mostrou três lições que este acompanhamento de 75 anos mostrou. Uma delas é que relações boas e calorosas são protetoras, e viver no meio de conflitos faz mal à saúde; já a segunda revela que o que importa é a qualidade de nossas relações íntimas. “As pessoas que se sentiam mais satisfeitas com as suas relações, aos 50 anos, foram as mais felizes aos 80 anos”, afirma o diretor.


A terceira e última lição mostra que os bons relacionamentos fazem bem ao cérebro, já que indíviduos que têm relações em que sentem que podem contar com a outra em alturas de necessidade mantêm uma memória mais viva durante mais tempo.


Para chegar nesse nível de bem-estar durante a vida, Waldinger sugere passar mais tempo com pessoas queridas e deixar a TV de lado, por exemplo, passear e, inclusive, falar com algum familiar com quem não conversa há anos.

O próximo passo, segundo o executivo, é estudar os mais de 2 mil filhos dos homens pesquisados.