11 °C
Notícias

Cerca de 80 mil portugueses estão com os salários atrasados em Angola

|

construcao civil angola

(LONDRES) Da redação com JN.pt - A indústria da construção em Angola continua a sofrer os efeitos da crise do petróleo no mercado. O presidente do Sindicato da Construção Civil, Albano Ribeiro, informa que há cerca de 80 mil trabalhadores portugueses com salários em atraso em Angola. Números que Reis Campos, presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI), diz não ter condições de confirmar, embora admita que a situação em Angola é muito complicada. "O mais grave é o arrastar desta crise no tempo, com o desgaste que isso causa às empresas e aos seus trabalhadores", frisa.


Portugal é o segundo país com maior presença no mercado da construção africano. Dos 5,3 mil milhões de euros que as construtoras nacionais faturam nos mercados internacionais, dois mil milhões são assegurados por Angola (38%). Dados da CPCI, que lembra que o orçamento angolano foi feito tendo por base um preço de referência do petróleo nos 81 dólares (76,5 euros) quando este está agora abaixo dos 47 dólares (44 euros).