18 °C
Notícias

Quer viajar o mundo gastando pouco? Confira seis dicas para por o seu sonho em prática!

|

Foto 01

Por: Ana Beatriz Freccia Rosa*
www.omundoqueeuvi.com
Instagram @anafreccia


Nestes anos de viajante convicta e blogueira de viagem, já esbarrei em muita gente que dá a volta ao mundo gastando muito pouco. Desde que resolvi “colocar a mochila nas costas”, viajei muito mais do que eu pensava que iria conseguir e além de pesquisar muito, sempre estou em contato com gente nova para descobrir qual o segredo de quem consegue rodar o mundo gastando muito menos do que se imagina. Resolvi listar aqui seis coisas que você pode fazer para começar a colocar o seu sonho em prática.


Housesitting:
Pessoas que têm casas em muitos lugares do mundo decidem, por algum motivo, viajar por um tempo, seja a trabalho, a lazer, para passar um tempo com a família ou, simplesmente, sair “um pouco do lugar”. Como essas pessoas têm vidas “comuns”, com financiamento da casa, plantas ou animaizinhos de estimação, precisam que alguém “cuide” da casa delas. É aí que você entra na história. Como está viajando, pode ficar hospedado na casa desta pessoa em troca de manter a casa igualzinha como ela está para quando seu dono voltar. Imagina você morando em uma vila na Itália ou de frente para o mar na Nova Zelândia?


Viajando duas vezes com a mesma passagem:
Hoje em dia, comprar passagens aéreas pela internet é a forma mais comum de quem pesquisa muito e quer gastar pouco. Mas muita gente não sabe que quando você compra uma passagem com escala em outro país, normalmente pode ficar alguns dias ou até semanas neste local da “escala” sem pagar a mais ou pagando muito pouco para fazer este intervalo. A vantagem? Você compra apenas uma passagem e para em um ou dois destinos. Mas somente as agências de viagem podem vender passagens com estes intervalos, pois isso precisa ser feito no sistema da companhia aérea.


Couchsurfing:
O Couchsurfing é um site onde você conhece pessoas morando na cidade em que está indo visitar e que podem sair para apresentar os melhores pontos, dar dicas do que fazer, praticar a língua que você fala, caso ele tenha interesse em falar ou mesmo hospedá-lo na casa dele. Essa é uma excelente forma de conhecer pessoas legais, que também gostam de viajar, se integrar realmente à uma nova cultura e ainda economizar com hotel.


Troca de serviço x hospedagem:
Há sites em que você pode se inscrever para trabalhar em troca de hospedagem e alimentação. Conheci pessoas que trabalhavam em pubs em Londres e moravam no próprio prédio pagando muito pouco ou mesmo nada. Uma amiga acabou de passar um tempo na Tailândia, trabalhando em um hostel em troca de hospedagem e alimentação. Acabou ficando muito mais tempo pela Ásia do que o previsto, já que conseguiu economizar um bom dinheiro.


Fazer o seu trabalho online:
Talvez você tenha aptidões que mesmo não saiba. Há formas de trabalhar online, como dar aulas de português, fazer traduções, criar layouts para agências online, programação, fazer sessões fotográficas ou ensinar outros estrangeiros a dançar, lutar jiu-jitsu, e muitas outras coisas em outros países. Comece a fazer uma listinha do que você gosta e acha que se daria bem em tentar. Vai que você muda de ideia quanto a sua carreira e acaba transformando seu hobby em profissão?


Produza material para vender:
Enquanto viaja, você pode produzir ótimas fotos, criar excelentes textos, achar novas tintas e materiais para quadros ou camisetas e ainda, comprar peças diferenciadas para criar objetos de decoração. Ainda pode fazer render um extra para a próxima aventura.


No meu blog, dou várias dicas de como viajar barato pelo mundo e como encontrar atividades gratuitas em Londres. E aí é só começar a guardar um dinheirinho para realizar o seu sonho. Confira e até a próxima!


*Ana Beatriz Freccia Rosa começou a sua volta ao mundo em 2004 quando veio morar em Londres. De lá, fez algumas viagens pela Europa e dois “mochilões” pelo Oriente Médio e parte da Ásia, América Latina e Sudeste Asiático. Morou por dois anos e meio na Austrália, onde viveu e em abril de 2013 voltou para a Terra da Rainha, onde tudo começou. Hoje escreve suas histórias no blog “O mundo que eu vi” e trabalha desenvolvendo projetos de viagem.