12 °C
Gastronomia

Quando comida e religião andam lado a lado… Kosher

|

foto 4

Enquanto a cultura gastronômica islâmica, por mais complexo que possa parecer, seja mais familiar por estarmos vivendo em Londres, a judaica é ainda desconhecida para a maioria, e não apenas porque não há uma forte presença nesta cidade, mas porque eles passam mais despercebidos. No entanto, de acordo com o último censo da população realizado em 2011, o atual número de judeus no país é 300 mil, dos quais mais de 60% vivem na capital.


 


Os judeus, que tendem a se afastar do centro de Londres, geralmente vivem no entorno da cidade, nas áreas verdes e grandes, sendo Golders Green o distrito onde mais há judeus, cerca de 8.000 pessoas vivem por lá. Como os muçulmanos, eles tendem a viver com as pessoas que compartilham de sua religião, e é o que determina o seu estilo, não só de vida, mas também gastronômico. Bem, como o Islã estabeleceu comida halal, os judeus também têm uma dieta restrita caracterizada por suas leis bíblicas, o 'kosher'.


 


Para eles, este é um mandamento divino (Mitzvpá), pelo qual estão unidos a Deus, que disse quais seriam os alimentos que seu povo poderia comer. Isso, juntamente com uma série de vantagens que consideram saudáveis ​​para a sua saúde e para a alma, faz com que, pror exemplo, não comem mamíferos predadores, proibidos pela Torá, pois desta forma estariam ingerindo qualidades nocivas.


 


Animais kosher


De acordo com a Torá, há certas espécies de animais que são impróprios para o consumo, tais como aqueles que não possuem cascos divididos ou não ruminantes. Portanto, há uma longa lista de mamíferos que estão fora do alcance, como os porcos ou coelhos. Sem mencionar outros menos comuns, como os cavalos, gatos ou camelos.


 


Assim, sua dieta se reduz a vacas, ovelhas, cabras e veados, que devem ser sacrificados de acordo com um ritual judeu chamado Shejitá, que é uma prática semelhante à islâmica, para que o animal sofra o menos possível. Além disso, nem todas as partes destes animais são permitidas, como gordura e fígado.


 


Legumes e frutas, pela regra geral, não têm censura. As aves, exceto aves de rapina são aceitas, principalmente ganso, peru, pato e galinha. Enquanto isso, ovos e leite de determinadas espécies não são aceitos para o consumo, uma vez que eles vêm de animais proibidos por sua religião. Assim, o único leite que pode tomar é Jalav Israel, ou seja, o leite judaico; assim como os ovos, vindos apenas aves kosher.


 


Peixe sempre halal, kosher também?


Enquanto no Islã não é feita qualquer distinção, como regra, de que o peixe é ou não permitido, uma vez que dizem que todos são halal, os judeus estão um nível acima, sendo ainda mais rigorosos sobre esta questão. Eles só podem comer aqueles com barbatanas e escamas, excluindo, assim, peixe espada, camarão, ostras, mariscos, caranguejos. Há uma regra dizendo que todos os peixes que possuem escamas também tem barbatanas, mas não o contrário. Além disso, essas escamas não têm, necessariamente, que cobrir completamente e deve ser possível removê-las sem retirar a pele. O que é não exigem aos peixes é o sacrifício shejitá.


 


Três costumes judeus


Além da prática específica de sacrificar o animal, os judeus esperam que todo sangue saia do corpo para comê-lo. Para eles, o sangue não seria kosher, de modo que a carne ainda passa por um processo de lavagem e salgamento para remover todos os vestígios de sangue antes de ser consumida. Outro costume peculiar é de não mesclar, nunca, leite com carne. O mesmo acessório não pode ser usado para manipular os alimentos e, inclusive, é preciso esperar um tempo entre comer um e o outro.


 


Nem a combinação de carne e de peixe é concebida, já que os judeus ortodoxos acreditam que o consumo de ambos ao mesmo tempo pode causar a deformação da pele e rosto. No entanto, não é aplicado por todos.


 



 


Restaurantes judeus em Londres


Em Londres, há várias áreas com restaurantes judaicos, principalmente na região central, Golders Green, Hendon ou Finchley. Os mais famosos são: Reubens, onde porções grandes e tradicionais são servidas; Bevis Marks, que está em plena City e recebe frequentemente clientes de negócios; Solly's que é um dos mais internacionais, com filiais no Canadá, EUA e Europa.


 










Certificação para o consumidor


Os produtos considerados kosher devem ser identificados com certificados atestando que foram anteriormente supervisionados por um rabino especialista. Alguns desses símbolos são os seguintes:


OK: estabelecida em 1935, é considerada uma das organizações de certificação kosher mais respeitadas.


OU (União Ortodoxa): a maior organização de certificação kosher e uma das mais aceitas.


Kof-K: estabelecida em 1968 é a marca internacionalmente conhecida de supervisão kosher nos EUA.


 


 


                                          


 


 


 


 


 


 




 


Sabia que…



  • Antes de comer os alimentos eles os bendizem e rezam uma oração para cada

  • Apesar do mel ser produzido pela abelha, um inseto não kosher, está permitido


 


Por: Marta Baena Sanz