2 °C
Notícias

No dia nacional de combate ao colesterol, especialistas defendem hábitos mais saudáveis

|

comer-salada-fornece-nutrientes-abundantes-essenciais

O Brasil comemora nesta sexta-feira o Dia Nacional de Combate ao Colesterol. O colesterol é um lipídio que auxilia no bom funcionamento do organismo, mas se consumido em excesso torna-se perigoso, sobretudo para os maiores de 60 anos, e pode causar doenças cardiovasculares, como infarto. Há dois tipos de colesterol: o “bom” (HDL) e o “ruim” (LDL). O consumo de fibra solúvel ajuda a reduzir a absorção de colesterol na corrente sanguínea. (Foto: Divulgação)


 


Esse tipo de fibra é encontrado na aveia, no farelo de aveia, feijão, nas maçãs, peras e ameixas, por exemplo. Peixes como truta, sardinha, atum, salmão, linguado, entre outros, também são aliados contra o colesterol alto, pois contêm altos níveis de ômega-3, os ácidos gordos, que podem reduzir a pressão arterial e o risco de desenvolvimento de coágulos sanguíneos. Outros alimentos que ajudam a manter o bom colesterol e a evitar o mau são azeite e castanhas, iogurtes e suco de laranja.


 


No Brasil, especialistas pedem mudanças estruturais nas políticas públicas para combater os problemas gerados pelo consumo exagerado de produtos industrializados, ricos em gordura e carboidratos. Para o presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Thiago Trindade, apesar do aumento da obesidade entre a população brasileira, tem havido uma mudança positiva em relação à alimentação.


 


Médico de família em Natal, no Rio Grande do Norte, Trindade recebe cada vez mais pacientes conscientes da necessidade do hábito mais saudável à mesa. Entretanto, ele alerta que a pobreza é o principal obstáculo para quem quer transformar a teoria em prática. “Vemos que as pessoas de classes sociais mais pobres não têm tanto acesso às saladas, frutas, têm menos condições de fazer exercícios físicos e costumam comprar os alimentos mais baratos, ricos em gorduras e carboidratos”, lembrou o médico.


 


Ele acredita que uma medida eficaz para solucionar parte do problema seria a obrigatoriedade de um cardápio saudável nas escolas públicas e privadas. “As crianças passam metade do dia na escola e seria fundamental que lá fossem oferecidos alimentos saudáveis”. Para Trindade, o controle desde cedo é o melhor remédio para evitar futuras doenças causadas pelo colesterol alto. (Com Agência Brasil)