16 °C
Esporte

Mar mexicano e empate sem graça na capital cearense

|

DSCF1848

 Todos esperavam uma melhor atuação do Brasil no empate contra o México na terça-feira, pela segunda rodada do Grupo A da Copa do Mundo. Muito antes da bola rolar, no entanto, eu já estava na rua para ver como seria o dia em Fortaleza. Por causa da partida, foi descretado feriado na capital cearense. O que fazia com que o trânsito estivesse bem tranquilo em boa parte da cidade. Por todos os locais, mexicanos. Mais de 15 mil estavam em Fortaleza na terça.


 


Comecei indo até o hotel que a Seleção estava hospedada. Por volta das 10h locais, caía um garoa fina, que não incomodava os presentes. Naquele momento, já havia alguma movimentação no local, com um cantor local fazendo apresentações e sendo entrevistado por um canal de televisão da cidade. O hotel Marina Park é um dos mais conhecidos da cidade. Como o nome já diz, fica numa marina, próximo ao forte Nossa Senhora de Assunção. O local foi destruído e reconstruído várias vezes na história, principalmente durante os séculos XVII e XVIII, quando portugueses e holandeses disputavam a região. Atualmente, existe apenas uma parede do local.


 


A região onde fica o hotel cinco estrelas é bastante pobre, havendo um grande constraste. Tanto que ainda pela manhã funcionários plantavam grama e palmeiras no descampado em frente a favela. Ali na proximidade também se encontra a bela catedral metropolitana e o Mercado Municipal. Região que também é bastante perigosa de acordo com os moradores.


 


Dali segui até a praia do Futuro, internacionalmente famosa. Na volta, passei pelo parque do Cocó, um dos maiores parques ecológicos urbanos do Brasil. Nele passa o rio que leva o mesmo nome do parque. É um dos três principais rios que cortam a cidade de Fortaleza. Os outros são o rio Ceará e o rio Pajeú.


 


De lá, para a Fifa Fan Fest. Já havia passado pelo local, no aterro da praia de Iracema pela amnhã, afinal de contas era caminho para chegar ao hotel da Seleção. Já havia notado o gigante telão do local de 130 metros quadrados instalado acima do palco principal. A noite, quem se apresentou ali foi o cantor Michel Teló.


 


Deixei o local antes do pontapé inicial para assistir à partida com um grupo de conhecidos que me abrigaram em Fortaleza. Após o apito final fui conhecer o Centro Cultural Dragão do Mar. Um espaço cultural muito interessante. O local oferece aos cidadãos de Fortaleza apresentações de teatro, música, grupos locais e nacionais. Há um anfiteatro para mil pessoas. Ao lado, um planetário, museu de arte popular e cinema, além de um espaço para exposições. Ainda há diversos pontos de alimentação, com a culinária local predominando. É possível comer a famosa tapioca, o baião de dois, carne seca, entre outros.


 


 


Márcio Ceccarelli
editor@braziliannews.uk.com