15 °C
Turismo

Canoa Quebrada – Apaixonante durante todo o ano

|

Secretaria do Turismo do Ceará

Vai para o Brasil? Se você puder, não deixe de visitar Canoa Quebrada, no Ceará. Ah, e não se preocupe com a época do ano. Em Canoa Quebrada o sol marca presença durante todo o ano, com temperaturas entre entre 27º e 30 ºC de janeiro a dezembro. A beleza é paradisíaca, e existe animação para todas as idades. Distante 166 quilômetros da capital Fortaleza, o local é certeza de satisfação para o turista. Hoje, existem mais de 80 hotéis em Canoa Quebrada, e um mercado mobiliário altamente aquecido. (fotos: Secretaria de Turismo do Ceará e MTur)


 


As dunas, falésias, mar e sol brilhante são inesgotáveis fontes de energia e inspiração, tornando-se assim um paraíso para quem quiser se deixar conquistar por essa sedução. E a culinária local tem lagostas, peixes, arraias, camarões, ostras e caranguejos. Impossível não ficar de queixo caído.


 


O turismo no local começou por volta dos anos 70. Hippies encontraram em Canoa, lugar quase inacessível, um povo simples e hospitaleiro. Até hoje os nativos preservam a tradição de pescar com jangadas no mar. Mesmo se transformando de aldeia de pescadores para um lugar turístico, Canoa não perdeu o seu encanto. Quem conhece o local sempre volta, e quem não conhece está perdendo tempo. Turistas do mundo inteiro encontram uma infraestrutura de Barracas na Praia e Pousadas de todos os gostos. Ver o por do sol do alto das dunas em clima romântico é um dos atrativos de Canoa.


 


A povoação de Canoa Quebrada nasceu a partir do pequeno povoado de Esteves. Descoberta na década de 1960 por cineastas franceses do movimento em "Nouvelle Vague", a povoação sofreu um choque de culturas, que resultou num sentimento de liberdade que ali impera até hoje.


 


Reza a tradição local que, de dia, os franceses trabalhavam duro e, à noite, se entregavam a diversão. Por essa razão, uma lua e uma estrela, esculpidas nas falésias, tornaram-se o símbolo do local. Uma outra versão dessa tradição local narra que, na equipe de filmagem, existia um marroquino, de crença islâmica, que sentindo remorsos pelas continuadas farras noturnas, desejava o perdão de Alá. Para se redimir da culpa, mandou esculpir, nas falésias, a lua e a estrela, hoje ícones locais.


 



 


A povoação adquiriu fama ao ser descoberta, na década de 1970, pelos "hippies", que ali encontraram um lugar remoto, habitado apenas por uma tribo indígena e alguns pescadores, uma população simples e hospitaleira, que até hoje preservam a tradição de pescar com jangadas no mar. Alguns desses "hippies" fixaram-se no local, casando com os nativos e tendo filhos. Desse modo, é possível encontrar ali muitos descendentes de suíços, franceses e outros europeus. Canoa Quebrada voltou a ser cenário de um filme em 1997, com a produção de Bella Dona, por Bruno Barreto), tendo, a partir de então, se transformado em um dos principais destinos turísticos do Ceará.


 


À noite, moradores e turistas se encontram na rua principal jocosamente apelidada de "Broadway", embalados pelo ritmo do "Reggae" e do Forró. Atualmente a região encontra-se protegida através da Área de Proteção Ambiental de Canoa Quebrada (APACQ),com cerca de setenta mil hectares.