2 °C
Brasil

Brasil lamenta a morte de José Wilker

|

Mat01_Page20

José Wilker, um dos artistas mais carismáticos do país, morreu repentinamente no sábado, aos 67 anos. A morte do ator pegou de surpresa todo o Brasil. O trabalho de Wilker foi lembrado por centenas de pessoas, principalmente nas redes sociais. Pai de duas filhas, o ator morreu de infarte, em sua casa do Rio de Janeiro. A presidente Dilma Rousseff foi uma delas. “Ator, crítico de cinema e exemplo de dedicação à arte, José Wilker nos presentou com interpretações que se tornaram ícones do cinema e da TV”, disse a presidenta em seu Twitter.


 


Cearense do município de Juazeiro do Norte, Wilker começou a carreira como locutor de rádio e atuou em dezenas de novelas, como Roque Santeiro, Anos Rebeldes, Fera Ferida, O Bem Amado e Amor à Vida, sendo esta seu último trabalho. Também atuou em mais de 40 filmes, como Dona Flor e Seus Dois Maridos, Xica da Silva e O Homem da Capa Preta.


 


O ator, alcançou a fama com sua atuação na novela "Roque Santeiro", em 1985. Sua projeção internacional, no entanto, veio antes, com a personagem Vadinho, o marido que volta da morte para atormentar a Sônia Braga no filme "Dona Flor e seus dois maridos", de 1976. O filme, que também contou com Mauro Mendonça, foi durante 34 anos o recordista de bilheteria no cinema brasileiro, perdendo o posto apenas em 2010 para Topa de Elite 2.


 


O cearense iniciou sua carreira artística como membro do Movimento Popular de Cultura do Partido Comunista de Recife, em Pernambuco, onde dirigiu espetáculos e realizou filmes documentários. Após sua passagem por Recife, se transferiu ao Rio de Janeiro, onde começou a trabalhar na televisão. Em 1970, ganhou o prêmio "Molière" de Melhor Ator pela peça "O Arquiteto e o imperador da Assíria". Em seguida, gravou sua primeira novela: "Bandeira 2", como Zelito.


 


Atuou em dezenas de novelas e participou de mais de 40 filmes, entre "Xica da Silva", o "O Homem da Capa Preta" e "Bye bye Brasil". Em 2004, encarnou Giovanni Improtta em "Senhora do destino". A fama nacional fez comm que o personagem virasse filme. O filme foi lançado em 17 de maio de 2013. Wilker ainda dirigiu novelas, como "Louco amor", e o humorítico "Sai de Baixo", comentou a cerimônia dos prêmios Oscar durante vários anos, foi também apresentador e crítico de cinema. (Foto: Divulgação/Globo)