11 °C
Home

Mitos mais comuns sobre as crianças bilíngues

|

Mat01_Page08

Por Yohanna Rozo


Criar um filho ou filha bilíngue traz muitos benefícios para o futuro dessas crianças: ajuda no pensamento, a socialização cria mais opções e pode ampliar a sua visão da vida. O Brazilian News consultou a especialista Paulina Davagnino, fonoaudióloga da LAWRS (Latin American Women’s Rights Service) sobre os vários mitos que existem quando se trata de criar uma criança bilíngüe.


 


Para a especialista Paulina Davagnino, existem muitos mitos diferentes sobre as crianças bilíngües. As perguntas mais comuns que os pais enfrentam são, por exemplo, “se o país onde eu vivo não seja a língua falada pela família, temos de falar com a criança na língua materna do país para a criança a aprender mais rápido?", ou, "se a criança é criada de forma bilíngüe sua linguagem vai ser adiada, a criança vai confundir e misturar as duas línguas e isso vai impedir o desenvolvimento normal da linguagem?"


 


Estas dúvidas e medos são muito comuns, mas de acordo com a especialista da LAWRS, "a verdade é que criar uma criança bilíngüe é muito vantajoso. É importante, se a família mudar para um país onde se fala outra língua, manter a língua nativa em casa. As crianças podem demorar um pouco para adquirir a nova linguagem nas escolas, mas não se preocupe com isso. Primeiro eles vão incorporar e compreender o novo idioma e, em seguida, ter vocabulário suficiente para expressá-lo". Além disso, quanto mais jovens os filhos, o processo será mais rápido e melhor.


 


Sobre o mito de que a aprendizagem de duas línguas pode confundir as crianças, "aquelas eram velhas teorías. Agora é sabido que a criança, desde bebê, pode distinguir dois idiomas diferentes". Além disso, sabe-se que o bilinguísmo não é decisivo para um atraso de linguagem. Podem haver crianças bilíngues que demorem um pouco mais para adquirir a linguagem, mas isso é apenas temporário e não é uma generalidade, muito menos uma regra. Bilinguismo não causa atrasos na fala ou na aquisição da linguagem.


 


Outro mito gira em torno das crianças que misturam as duas línguas. Isso é normal no início. De acordo com Davagnino, "se uma criança consegue manejar uma das línguas melhor do que a outra, é comum que quando fale a língua mais fraca substitua alguma palavra que não saiba com a língua dominante. Isso é comum, mesmo em adultos, mas ocorre mais automaticamente em crianças. Sobre este ponto, sempre digo aos pais que eles devem saber que as crianças são os melhores imitadores, eles adquirem a linguagem imitando seus pais, por isso, se em casa se fala misturando as línguas ("Português/Inglês") as crianças vão falar da mesma forma".


 


Quais são as recomendações que devem ser seguidas pelos pais para educar seus filhos a dominar duas línguas?


Em primeiro lugar e como um ponto-chave, valorizar a sua própria língua. Eu já ouvi aqui em Londres mulheres latino-americanas dizendo que gostam que os filos nascidos aqui falem essa língua em primeiro lugar.


 


Se a familia inteira, por exemplo, fala português no país de língua inglesa, saiba que as crianças vão aprender inglês na creche, na rua ou com os amigos. Em outras palavras, é mais simples para aprender Inglês com o Inglês e é muito bom que seja assim, porque os pais não têm um Inglês nativo, por isso não é bom para a criança a imitar esse pai com o "Inglês". Lembre-se de que as crianças são os melhores imitadores dos pais. O fato do português ser falado em casa não é apenas ideal para o desenvolvimento do bilinguismo das crianças, mas também é a maneira mais real de gerar e comunicar emoções e sentimentos com as pessoas e construir laços afetivos é na sua língua materna. O que é outra boa razão para falar português em casa.


 


No caso em que os pais falam línguas diferentes, não há problema, na verdade, se ambos vivem com uma criança em um país que uma terceira língua é falada. A criança pode facilmente dominar as duas línguas dos pais e uma terceira, e os pais podem conversar com todos em sua língua, lembrando-se que as emoções e sentimentos fluem e se expressam na língua de cada forma adequada, em seguida, cada um dos pais pode falar com o seu filho no seu próprio idioma, e a terceira língua do país vai aprender na escola.


 


Que outras vantagens têm as crianças bilíngües?


Muitas. Primeiro você tem que pensar que ser uma criança bilíngue tem grandes efeitos sobre a sua educação, o emprego futuro, questões sociais, viagens, maneira de pensar e, especialmente, em sua identidade; tendo implicações educacionais, sociais, econômicas, culturais, entre outros. Quando os pais falam a mesma língua, por exemplo o português, mas a língua do país em que vivem é o inglês, as crianças bilíngües podem se comunicar plenamente com seus pais e eles podem orientá-los e encaminhá-los para expressar seus sentimentos. A relação com os pais é em grande parte satisfatório. Assim como com os pais que falam línguas diferentes, a criança pode se comunicar na língua nativa de cada um dos pais, permitindo um relacionamento profundo em casa, porque para muitos pais só é possível se comunicar em total privacidade e naturalidade em seu idioma maternal. É também uma forte herança familiar e permite que eles se comuniquem com seus avós e parentes que vivem no mesmo país e não falam a mesma língua.


 


Educar uma criança bilíngue também tem vantagens culturalmente. Conhecer mais de uma língua permite conhecer outras culturas melhor, gera uma maior tolerância e respeito pelas outras pessoas e menos racismo, uma vez que pode se comunicar com mais pessoas e ver outros pontos de vista, além de ser uma grande ajuda quando se viaja. Também permite o desenvolvimento de leitura e escrita em duas línguas que por sua vez expande o conhecimento, sendo capaz de ler livros e artigos em ambas as línguas, música, aprender com as diferentes culturas com mais profundidade.


 


Existe alguma desvantagem?


Não no início, mas há casos em que alguns pais podem ver desvantagem em o filho falar a língua do outro progenitor que ele não tem conhecimento. Por exemplo, se o pai fala inglês e a mãe portugués, e o filho fala com a mãe em portugués, há algumas pessoas que podem pensar que você está escondendo informações secretas ou falando algo para que o outro não entenda. O que pode criar um conflito na família. Portanto, se os pais estão em situações como esta, a decisão de criá-lo de maneira bilíngue deve ser clara.


 


É comum que as crianças aprendam apenas um idioma, mesmo quando seus pais poderiam ensinar uma segunda língua em casa. Quais são os fatores que impedem esse aprendizado?


Falta de interesse, inutilidade da língua materna por parte da família, falta de estimulação, poucas horas ao lado das crianças que falam a língua dos pais, falta de comunicação dos pais com os filhos, falta de estratégias e ferramentas para ajudar criança na aquisição do bilinguismo, interesse dos pais para aprender ou aperfeiçoar o idioma do país onde vivem e praticam em casa.


 


Que ferramentas devem ser utilizadas para estimulação?


As ferramentas de estimulação podem ser as mesmas utilizadas para auxiliar a aquisição da linguagem em crianças em situações normais. Falar o tempo todo, de uma forma simples, quando tomar banho ou se mover, nomeando partes do corpo, objetos, o que eles são e o que eles fazem. Isso vai ajudar a começar a dizer as coisas. Aumentar a tentativa de comunicação das crianças, perguntando coisas, alongando suas sentenças, fazer perguntas abertas, onde o criança não só pode responder "sim" ou "não", felicitá-los por seu esforço e entusiasmo, incentivá-los a dar opiniões, usar gestos e voz expressiva.


 


Junto com isso, é muito importante a quantidade de tempo em que a criança está exposta a linguagem e a comunicação que existe entre pai e filho. Se o seu filho vai ser exposto a apenas meia hora de língua materna, não vai ajudar em nada. Essa é também a estimulação da linguagem essencial em casa. Aumente a comunicação e estimule as crianças com música, livros, filmes no idioma que você deseja manter. Música e contar histórias são cruciais para estimular o desenvolvimento da linguagem das crianças. Leia uma história a cada dia.