- °C
Home

Procrastinação – causas e efeitos

|

Miikka Luotio/Unsplash

Miikka luotio Q YPf0h5q5E unsplash



Por Analicia Thackray*

Faz tempo que você tenta colocar as coisas em dia mas não consegue? Já pensou que você pode estar procrastinando? Você não está sozinho(a)! Essa situação é mais comum do que parece.

O que é procrastinação?

A procrastinação é um atraso voluntário da realização de certas atividades que gera angústia e sofrimento de modo geral. Esse comportamento pode ser consciente, que te faz realizar o adiamento por priorizar outra coisa ou simplesmente admitindo para si que não quer fazer naquele momento, ou pode ser inconsciente, que neste caso o adiamento pode se dar por meio do esquecimento ou por ocupações não prioritárias que passam a ganhar uma importância momentânea.

Você está no trânsito a caminho do trabalho e então tem um insight sobre um projeto pendente da última reunião da sua equipe. Então, quando chega à empresa, acaba se dedicando a outras demandas e deixa a nova ideia para depois. Mais tarde você volta ao projeto, mas percebe que já nem lembra direito da ideia e acaba deixando para lá mais uma vez. Eis aí um bom exemplo do que é procrastinar.

Mas por que será que nós temos esse péssimo hábito? Em primeiro lugar, é importante entender que esse hábito é absolutamente comum ao ser humano. Adiar é uma coisa que fazemos naturalmente e em certa dose é até saudável. Às vezes não estamos em um momento ideal para desenvolver uma ideia, como é o caso do exemplo do início do texto.

Então pode ser que você tenha uma ideia fantástica agora, mas não tenha condições de executá-la nesse momento, por muitos motivos.

No entanto, quando essa procrastinação se torna algo crônico e diário, em que você simplesmente não consegue começar e terminar uma atividade em um tempo relativamente normal, pensar sobre isso é indispensável. Afinal, esse hábito começa a influenciar seus resultados negativamente. E sem resultados começa a baixar a autoestima.

Como funciona a relação entre ansiedade e procrastinação?

Há diversos fatores como: traços de personalidade, perfeccionismo, medo de lidar com o fracasso, dificuldades em lidar com as próprias emoções, baixo nível de atenção, fatores situacionais, fatores ambientais como pais rígidos e críticos, falta de organização ou até uma forma equivocada de interpretar os fatos.

Muitos dos meus alunos de mentoria me procuram pois possuem estes bloqueios, desde celebridades de Hollywood a pessoas que estão começando a empreender.

Os estudiosos sobre o tema discutem que há tipos de procrastinadores, e podem ser resumidos do seguinte modo: os que não sabem como iniciar as tarefas; os que não querem realizar as tarefas mesmo sendo necessário; os que têm uma forte preocupação em fazer as coisas com perfeição.

O ato de procrastinar pode estar ligado ao medo de falhar, ao medo de fracassar ou ao medo de não dar conta da atividade iniciada e pode servir como uma “estratégia da proteção” da própria autoestima.

O medo pode ser inconsciente e estar pautado em uma crença de incapacidade de realizar a tarefa com sucesso, permeado por uma insegurança sobre sua própria capacidade. É como se o procrastinador ouvisse dentro da sua própria cabeça que não tem que lidar com a atividade, seja ela qual for, e por isso a evita.

Outas características e bloqueios também contribuem com o comportamento de procrastinar como autocrítica; insegurança; autocobrança; impulsividade; baixa autoestima; perfeccionismo; baixa tolerância à frustração; antipatia à tarefa.

Pensando em ajudar quem sofre com as consequências do “deixar para depois”, separei algumas dicas para vencer a procrastinação. Então já comece por agora e não adie essa leitura:

Tenha uma agenda

Um hábito que sem dúvida vai te ajudar é elaborar uma agenda diária, seja no seu computador, smartphone ou em um caderninho, com horários e prazos para execução. Lembrando que datar é a parte mais importante do processo, já que assim você aprende a se organizar e sua produtividade aumenta consideravelmente.

Seja mais produtivo, hoje existe vários aplicativos para smartphone para te ajudar.

Interrompa o que te distrai

Mil abas abertas no navegador com vários assuntos diferentes, publicações interessantes no Instagram e centenas de mensagens naquele grupo divertido no WhatsApp. Coisas normais do nosso cotidiano, mas que pode atrapalhar ainda mais quem já tem uma tendência a procrastinar. Fuja de distrações!

Foque em uma coisa só de cada vez

Não adianta tentar fazer várias coisas ao mesmo tempo, porque assim você corre o risco de não fazer nada realmente bem feito. Se enquanto você faz uma atividade e acabar se lembrando de um detalhe relacionado a outra coisa, pare, anote, e depois se concentre no que já estava fazendo.

Recomendo o uso de “post-it”, assim toda vez que tiver uma ideia esvazie a mente e coloque no papel. Faça listas.

Não se martirize

Acabou enrolando mais do que o normal? Não se martirize. Um processo de mudança de hábitos pode ser longo e dividido em etapas. Então se perdoe e se preocupe apenas em dar um passo de cada vez. Outra dica é que você não se cobre tanto, já que isso pode acabar gerando um efeito reverso. Saiba ser motivado sabendo que você é um ser humano e não uma máquina.

Peça ajuda

Converse com uma pessoa que participe do seu dia a dia para te ajudar a lembrar ou mesmo a cobrar suas atividades. Conte também os seus sonhos e objetivos para alguém que você confia. Dessa forma você se sente comprometido a fazer esses sonhos se tornarem realidade.

Outra dica: invista em estudos sobre desenvolvimento pessoal e profissional, como os relacionados a inteligência emocional.

Ao desenvolver essa capacidade de ser inteligente emocionalmente os ganhos são para todas as áreas da vida, principalmente autoconhecimento e autogestão.

Invista em mentores e coach para te ajudar a ter melhor produtividade.

* Analicia Thackray é mentora e estrategista de mindset (@analiciathackray


analiciathackray@gmail.com)