26 °C
Esporte

Confraternização de brasileiras em Londres vira time de futebol

|

Sarah Guimarães dos Santos

IMG 20190529 WA0068



Da Redação

Não é só na França que há brasileiras a brilhar no campo. Aqui mesmo em Londres, um grupo de garotas apaixonadas por futebol veste, há dois anos, a camisa do Clube SantaCruzense Girls. O que era um passa-tempo entre amigas virou um projeto de longo alcance.

“O time começou com uma brasileira que gostava de futebol e fez um grupo no Facebook convidando outras. Então, a gente começou a ir todo domingo, mas era mais festa e confraternização entre brasileiras mesmo. Após as partidas, íamos sempre a um bar português, que já tinha um time masculino e infantil. Então, o dono propôs criarmos um time feminino que só precisaria de um técnico", conta modelo brasileira Fernanda Marques, de 28 anos, uma das atletas do time.

A equipe de 40 jogadoras já participa de amistosos e agora se prepara para a estreia no Clapham Commom Women's Football League, que começa em setembro. "As meninas estão super focadas, acabou a distração com bebida e música. A gente treina pesado, e já tem gente que quer chegar ao profissional", explica Fernanda.

O nome do time é uma homenagem a Santa Cruz, em Portugal. O clube existe há mais de 20 anos, com equipes masculina e infantil, formadas principalmente por portugueses. Algumas jogadoras já integravam equipes de futebol antes, mas o negócio ficou sério mesmo de dois anos para cá, com o impulso dos treinos.

São as próprias atletas que pagam o aluguel das quadras para os treinos, que acontecem todos as quintas e domingos e duram duas horas. “Fazemos uma vaquinha e dividimos todos os custos”, conta Fernanda. O treino é dividido em exercícios físicos, técnica, tática e coletivo.

Quem assisti ao sucesso da Copa do Mundo de Futebol Feminino não pode imaginar que até 1979 essa era uma modalidade esportiva proibida no Brasil. País que, aliás, televisiona os jogos da Copa da França pela primeira vez.

“Nossa luta apenas começou, temos muito o que mudar na sociedade que ainda nos vê como um pedaço de carne, onde a roupa ainda fala mais alto do que nossos valores”, diz Fernanda. “Somos mulheres em busca de mais igualdade e respeito, seja no campo de trabalho, no esporte ou na vida social. Não é uma tarefa fácil, mas temos que lutar para que as gerações futuras desfrutem dessa igualdade e respeito que tanto buscamos há décadas.”

Quando questionada se em Londres a aceitação ao futebol feminino é maior que, por exemplo, no Brasil, Fernanda, que nasceu em Brasília e mora no Reino Unido há três anos, foi categórica. “Como em todo lugar, há dificuldades, mas, com esse grande alavancamento que a modalidade está tendo na Europa e no mundo, é mais gratificante e prazeroso mostrar que nós mulheres entendemos sim de futebol.”

Fernanda, que estampa campanhas publicitárias, diz que seu foco é mesmo a carreira de modelo, mas ela não duvida que algumas das jogadoras do SantaCruzense Girls cheguem a um time profissional.


Quem sabe teremos uma nova Marta a treinar em campos ingleses. “Marta é um exemplo para muitas meninas. Ela mostra que se você faz o que gosta e não desiste dos seus sonhos, pode alcançá-los.”