19 °C
Comunidade

Português é promovido a primeiro bailarino da Royal Opera House

|

Royal Opera House

29143343556 3815c412bb h


Da Redação

O bailarino português Marcelino Sambé acaba de ser anunciado para assumir o lugar de mais destaque na Royal Opera House, a partir da próxima temporada, 2019-2020. A informação foi confirmada pelo diretor da companhia, Kevin O’Hare, que elogiou o “impressionante leque de capacidades artísticas” do português, que já vem sendo destacado como um dos mais completos artistas da geração.

O anúncio coroa um ano de grandes conquistas para Marcelino, que participou dos espetáculos Don Quixote, de Carlos Acosta, e Romeu e Julieta, de Kenneth MacMillan. “Foi um ano fantástico com algumas estreias notáveis”, disse O’Hare, em comunicado publicado no site oficial da Royal Opera House.

Marcelino, que esse ano foi listado pela revista Forbes entre os mais destacados "30 jovens europeus com menos de 30 anos", nasceu em Lisboa e tem 25 anos. Filho de pai guineense e mãe portuguesa, ele começou a dançar aos quatro anos. Aos dez, passou a integrar a Escola de Dança do Conservatório Nacional. Desde 2012, faz parte do corpo de balé do Royal Ballet, em Londres. Em seu primeiro ano no Reino Unido, foi apontado como grande revelação pelo Youth Dance England.

Em 2017, Marcelino recebeu o Prêmio Nacional de Dança do Reino Unido, por sua atuação em "La fille mal gardée". Ano passado, ele foi promovido a primeiro bailarino do Royal Ballet, onde agora ascende a bailarino principal.


A interpretação de Sambé para M ’cã cré sabi ganhou o segundo prêmio no Ursula Morton Choreographic Awards de 2011 e foi realizado na matinê anual da escola naquele ano. Seus trabalhos incluem preparações para o Last TV Fake e The Chosen Victim para o Draft Works do Royal Ballet. Os prémios de dança do Sambé incluem uma medalha de prata no Concurso Internacional de Ballet de Moscou em 2008, primeiro prémio no Youth American Grand Prix, em 2009, uma medalha de ouro e um prémio especial no Concurso Internacional de Ballet dos EUA, em 2010, e o prémio Dance Europe Award for Male Performance (Clássico) no Critics 'Circle National Dance Awards 2017.