21 °C
Comunidade

Imigrantes, refugiados e moradores locais na mesma sala de aula

|

Divulgação

IMG 1616

A brasileira Ingrid Santos (à dir.), a portuguesa Inés Araújo (no centro), e a búlgara Nataliya Ivanova trazem a iniciativa, nascida em Portugal, para Londres


Por Marta Stephens - Uma iniciativa que pretende unir imigrantes, refugiados e moradores locais em torno do idioma acaba de chegar à capital britânica. A organização conhecida como Speak nasceu em Portugal, a partir de uma observação do engenheiro Hugo Menino Aguiar, um dos cofundadores do Speak. “Hugo notou que imigrantes e locais simplesmente não se encontravam”, explica a brasileira Ingrid Santos, uma das representantes da Speak London. “A ideia é promover o multilinguismo, a igualdade e democratizar o aprendizado de idiomas e cultura.”


Ingrid, de 28 anos, com a portuguesa Inés Araújo, 31, e a búlgara Nataliya Ivanova, 32, trabalham para trazer a iniciativa para Londres. O projeto consiste em unir gente com interesse no mesmo idioma para 18 horas de curso, com encontros de 90 minutos por 12 semanas. As turmas têm entre cinco e 12 pessoas.


“O curso é pensado para ser, mais do que um aprendizado do idioma, uma forma de aproximar pessoas de diferentes culturas”, explica a alagoana Ingrid, que é formada em dança e mudou-se para Inglaterra há apenas cinco meses, após sete anos em Portugal. “Eu descobri o Speak em Portugal, e lá participei das duas formas: como aluna do curso de inglês e ensinando português”, diz.


Por enquanto, o Speak London tem professores voluntários para cursos de alemão, português e búlgaro, mas nenhuma turma ainda foi formada. O curso tem dois módulos: o básico (para quem não fala nada do idioma) e o nível conversação. O participante paga £29 pelas 18 horas de aulas, que podem acontecer em uma associação, na biblioteca ou até em um pub.


“Esperamos começar as primeiras turmas no final de abril”, explica Ingrid, que também é professora de capoeira e pretende ensinar muito de cultura brasileira em suas aulas, em Londres.


Mas o mais importante, ressalta Ingrid, é a chance de interação com a comunidade que o curso promove. A ideia é alcançar aquele recém-chegado que se sente solitário. Há muitos exemplos de parcerias nascidas desses encontros.


Há duas formas de participar do Speak London: como aluno de algum dos cursos ou, como voluntário, ensinando o próprio idioma. Para mais informações, escreva para london@speak.social.