- °C
Comunidade

Edição 2019 do Setúbal Music Festival lançada em Londres

|


3685F903 4BC6 4E05 8D41 95C2CB524FB0

O diretor artístico Ian Ritchie (à esq.) e o MP Ed Vaizey anunciam a edição 2019 do Setúbal Music Festival, na Europe House


Por Marta Stephens - Na contramão dos debates em torno de um eminente Brexit, músicos, educadores e profissionais ligados a programas de bem-estar de Portugal e do Reino Unido se reuniram na terça-feira (12/03) para celebrar a arte. O encontro, na Europe House, em Londres, marcou o lançamento do Setúbal Music Festival 2019, que alcança a nona edição.


O festival acontecerá em Setúbal entre os dias 23 e 27 de maio. Nos últimos dois dias, 26 e 27, ocorre também o International Symposium of Music, Health e Wellbeing, quando serão discutidos temas como conectividade e criatividade na cultura.


O MP Ed Vaizey abriu o evento falando da importância da música como transformador social, na melhora da qualidade de vida das pessoas. “Não há palavras da explicar o quanto a arte é importante em tantos aspectos da nossa vida”, disse.


O diretor artístico do festival, Ian Ritchie, contou da sua primeira experiência no Festival de Setúbal, no verão de 2010, a encanto de ver o envolvimento dos jovens da comunidade. “Ano passado, tivemos 12 mil jovens envolvidos diretamente nas atividades, o que significa 10% da população total de Setúbal ou 80% da população jovem a participar do festival”, contou.


O encontro em Londres teve uma razão especial: cerca de 20 profissionais locais ligados a projetos que relacionam o bem-estar à arte participaram de um encontro com alguns organizadores do festival em Setúbal. Trocaram ideias e experiências.


A jovem musicista Ana Margarida, de 22 anos, que atua na produção do festival e também se apresenta com seu clarinete, considerou o encontro muito proveitoso. Ela se apresentou na primeira edição do festival, com apenas 13 anos, e desde então participa de todas as edições. “A mais marcante foi em 2011, quando organizamos um concerto com jovens com deficiência. Eram cerca de 12 no palco, e outros oito músicos”, recorda. “Nunca esqueço os rostos de alegria dos participantes.”


Ana, que no momento finaliza um mestrado em ensino de música, considera essencial essa troca de experiência com profissionais de Londres. “Aprendi muito, e volto para Portugal cheia de ideias.”



IMG 1082

Ana Margarida se apresentou no primeiro festival, com apenas 13 anos, e desde então participa de todas as edições