7 °C
Home

Formação gratuita de tradutores

|


Pag05escritores

Foto: Divulgação


(LONDRES) Da Redação - Uma parceria entre a Capitolina Books, livraria on-line especializada em literatura brasileira, e a University College London (UCL) vai abrir espaço para a formação de tradutores do português para o inglês. A partir de janeiro, oficinas gratuitas e abertas a qualquer pessoa acontecerão em diferentes pontos de Londres. Durante os encontros, contos de autores contemporâneos serão traduzidos para compor, ao final do projeto, uma coletânea bilíngue a ser lançada na Inglaterra.


As oficinas serão ministradas por Nara Vidal, escritora e idealizadora da Capitolina,

e por Ana Cláudia Suriani da Silva, professora do Departamento de Português e Estudos Latino Americanos da UCL. “Qualquer um que leia em português e inglês pode participar”, diz Nara.


Em cada encontro, um história curta, selecionada anteriormente por Nara Vidal e Ana Cláudia, será objeto de trabalho. O texto será traduzido com antecedência por um dos participantes, especialmente alunos de pós-graduação e mestrado da UCL, que apresentará na oficina as dificuldades encontradas no processo. O grupo fará então um aprimoramente do texto.


Os encontros devem ocorrer a cada cinco semanas, a partir de janeiro. A previsão é que ao final de 2020 o grupo posso ter finalizada a primeira edição do livro de contos. Entre os autores participantes estão Itamar Vieira Júnior, Xico Sá, Alê Mota, Jacques Fux, Ronaldo Cagiano, Nara Vidal e Lucas Verzola.


Acompanha as datas e locais das oficinas no site capitolinabooks.com.



COM A PALAVRA, NARA VIDAL


Pag05NaraVidal

Nara Vidal, escritora e livreira, fez a selação dos contos de autores contemporâneos brasileiros para as oficinas de tradução em Londres


Notícias em Português - Como você avalia o espaço ocupado hoje pela literatura brasileira contemporânea no Reino Unido?

Nara Vidal - É mínimo. A questão da tradução por aqui também é muito restrita. O mercado de língua inglesa é bastante auto suficiente e não há tantas traduções como em outros países europeus. Mas acredito que nós que lidamos com literatura temos a nosso favor um terreno inexplorado. Eu vejo a falta de interesse como uma oportunidade. Às vezes, gosto de acreditar, não se fala muito da literatura brasileira contemporânea porque ela ainda é desconhecida. Definitivamente não é pela falta de qualidade. Essa é exatamente uma das razões de existir a Capitolina Books. Estamos lá para quem quiser conhecer o que é feito dentro das editoras independentes ou pequenas por autores de muito talento e originalidade, mas que não necessariamente têm uma boa distribuição dos seus títulos.


Como surgiu a parceria com a University College London?

A UCL, através da Ana Claudia Suriani da Silva, sempre me deu incrível suporte para projetos e ideias ligados à literatura brasileira. Em 2016, eles nos apoiaram com o Canalzinho, um evento de literatura infantil em língua portuguesa, por exemplo. Eu levei essa proposta de tradução de contos para a Ana Claudia e ela imediatamente viu o potencial do projeto. Algo que era apenas tradução, passou a ser, por ideia da Ana, um projeto que, queremos, seja constante, dinâmico, frequente. Por isso, pretendemos ter mais de uma edição. Tal qual um clube de livro.


Há interesse do mercado editorial inglês nos autores contemporâneos brasileiros?

Raríssimo isso acontecer. Há alguns poucos, já traduzidos para outros idiomas e que podem aguçar interesse de editoras aqui. Autores premiados e com uma projeção mais ampla também são mais procurados. Mas nosso papel, tanto do clube de tradução quanto da Capitolina, é deixar na vitrine, expostas para quem quiser conhecer as maravilhas ainda não tão amplamente divulgadas na nossa literatura.


Alguma chance de ampliar o projeto a outras comunidades lusófonas?

A base do projeto é a parceria entre a UCL e a Capitolina. Tanto o departamento em questão da UCL e a Capitolina estão concentrados em literatura brasileira. Acredito que tenhamos muito material para ser trabalhado e, só por isso, não vejo em um futuro próximo a ideia de ampliar para outros países de língua portuguesa. Há muito potencial, material e riqueza para exploramos na literatura brasileira contemporânea.