16 °C
Comportamento

​Vida de mãe na Inglaterra: além dos dramas, também existe o lado bom

|

Por Thaís Braga - A vida expatriada não é nada fácil e depende muito da sua personalidade e prioridades. Mas como falamos na matéria passada, algumas dicas podem ajudar e muito nesta empreitada e aqui vocês também vão encontrar alguns pontos positivos para ter em conta neste momento. Seguimos na parte 2. Acompanhe:


Clima


Dependendo do lugar que você for morar o clima pode ser uma complicação. Aqui na Inglaterra temos um inverno bem chato e longo e isso atrapalha bastante nas atividades ao ar livre com as crianças. Isso influencia em muitos aspectos como a saúde. Falta de sol e diminuição de convívio com a natureza pesam bastante no desenvolvimento, sem falar que aumentam a probabilidade de contrair doenças como resfriados e viroses.


O falso senso de que nada aconteceu


Me emocionei com o depoimento de uma mãe no grupo vou até usar as palavras dela:


“Eu acabei de perder a minha avó há um mês e meio e vou adicionar o “falso senso de que nada aconteceu” na lista do negativos.


Não ter participado da despedida, do fechamento do ciclo, me faz muitos dias esquecer que ela se foi e aí é como se todo dia eu recebesse do meu cérebro a notícia da passagem dela … muito complicado!”



95630b02cca975920c04a6f4d959f4e5

Reprodução


Falta da sua cultura


Isso inclui comida, música, aquele aconchego caloroso do brasileiro entre outras coisitas. Seu filho crescerá sem ter muito contato com nossas festas tradicionais como Carnaval e Festa Junina, a não ser que você organize com amigas ou busque alguns eventos em centros brasileiros que se esforçam para manter a tradição, mas obviamente, não dá pra comparar. Quanto a comida, dependendo do lugar você até encontra substitutos (que não chegam nem aos pés dos originais) ou alguns produtos originais pagando o triplo do preço.


Viajar para o Brasil de férias


Isso deveria ser um lado bom, porém, com o preço das passagens vira ruim. Além do preço das passagens exorbitantes, você ainda precisa se preparar psicologicamente para enfrentar longos voos (se você estiver fora da América do sul, claro) com crianças cheias de energia. Tem que ter disposição!


Bullying


Em muitos lugares filhos de estrangeiros são tratados de forma diferente. Vejo alguns depoimentos de mães que passam por situações do tipo. Eu ainda não frequento o ambiente escolar porque Aurora ainda não entrou na creche, mas apliquei para algumas escolas agora e em todas elas eu li em seus meios de comunicação que não toleram bullying e tem um forte programa de inclusão que afastam esse tipo de comportamento.


PONTOS POSITIVOS


Estrutura: Segurança, transporte e saúde


Quando você sai do Brasil é um choque de realidade. Pensamos como sobrevivemos tanto tempo em uma vida rodeada por violência. Poder andar na rua com tranquilidade, sem ficar olhando pra trás com apreensão é algo maravilhoso.


Na Inglaterra e Europa de forma geral, os meios de transporte funcionam muito bem.


A área da saúde eu, pessoalmente, fico impressionada. Outra questão que envolve esse assunto é o apoio às famílias que convivem com crianças especiais e com problemas de saúde. Nos países mais desenvolvidos há ajuda financeira, apoio ao desenvolvimento e facilitação em diversos aspectos.


Nascimentos humanizados


Neste outro texto transcrevo o depoimento de uma mulher que pariu aqui (se procurarem no blog encontrarão textos do “Partos pelo mundo”, onde muitas mulheres deram seus depoimentos de partos fora do Brasil). Não tem comparação com o Brasil. Enquanto os profissionais daqui são humanizados e procuram fazer o melhor para mãe e bebê, no Brasil, os médicos, em sua grande maioria, pedem cesáreas e estão desatualizados.


Filhos bilingues


Seus filhos provavelmente serão bilingües ou trilingues com muita facilidade e isso será super positivo para o futuro e desenvolvimento deles. Aqui aprendem outras línguas com facilidade e de forma natural.


Atividades infantis e Compras


Roupas, brinquedos, utensílios entre outras coisas necessárias para bebês e crianças se encontra com facilidade, variedade de marcas e por um preço muito mais acessível.


Também há muito incentivo para o desenvolvimento infantil. Todas as bibliotecas, por exemplo (e são muitas, pelo menos uma em cada bairro) organiza atividades gratuitas como aulas de música e leitura.


Aqui em Londres também temos muitos museus, parques lindíssimos e áreas verdes. A maioria deles com áreas reservadas para crianças e parquinhos com brinquedos super bacanas, muito bem cuidados.


Liberdade de criação e ausência de palpites


Por um lado é ruim não ter a presença de familiares próximos, contudo, como tudo na vida tem lado bom e ruim, essa ausência também te dá mais liberdade para criar seus filhos da forma que você acha correta e sem intromissão. Por exemplo, se você quer que seu filho só coma doces a partir dos dois anos de idade a chance disso acontecer com vc morando fora é grande! kkkk Não tem avós nem tios dando chocolate escondidos e questionando suas decisões.


Outro ponto bom nisso, é que você também não convive com aqueles familiares sem noção que adoram dar pitaco em tudo! Evita muitaaa dor de cabeça!


Diversidade e aceitação


Outro fator que tem dois lados é a questão da cultura. Por um ponto de vista você não educa seu filho na cultura brasileira que é incrível, mas por outro, seu filho tem a oportunidade de conviver com a diversidade e aprender com mais facilidade e naturalidade sobre aceitação, respeito e humildade.


Escolas de qualidade


O sistema de educação é de muita qualidade pelo o que vejo as mães comentando. Escolas públicas e particulares possuem ensino exemplar.


Aqui em Londres todas as crianças a partir de 3 anos (ou antes se seu filho tiver alguma necessidade especial) têm o direito a 15 horas gratuitas por semana, podendo se estender a 30h se os pais trabalharem fora. A partir dos 5 anos todas as crianças tem direito a ensino gratuito e integral.