19 °C
Brasil

Mortalidade infantil volta a crescer no Brasil após 26 anos em queda

|

(DE LONDRES) DA REDAÇÃO - A mortalidade infantil no Brasil registrou crescimento de 4,8% em 2016, a primeira alta desde 1990, apontam dados divulgados pelo Ministério da Saúde. Foram 14 mortes em cada mil crianças com até um ano de idade. Em 2015 foram 13,3. A tendência, segundo a pasta, é que o índice de 2017 também se mantenha acima do registrado em 2015.


Uma das justificativas do Ministério da Saúde para o dado negativo de 2016 é a redução de 5,3% na taxa de nascimento ocorrida como reflexo da recente epidemia de zika no Brasil. O vírus, que deixou o país em emergência sanitária entre novembro de 2015 e maio de 2017, também causou a morte de muitos bebês em decorrência de malformações, como a microcefalia.



Zika


Ainda segundo o relatório, a atual crise econômica teve forte influência nos resultados, com paralisação de programas sociais e cortes na saúde pública, que prejudicaram serviços como a vacinação. Muitas das mortes infantis também foram causadas por doenças evitáveis, como diarreia e pneumonia, que estão diretamente ligadas à perda de renda das famílias.


Desde 1990, o país apresentava queda média anual de 4,9% na mortalidade. Esse valor estava acima da média global de redução, estimada em 3,2% pela Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) em 2017.


Durante a década de 1980, segundo dados do IBGE (Instituto brasileiro de Geografia e Estatistica), o Brasil chegou a registrar 82,8 mortes por mil nascimentos.