22 °C
Reino Unido

NHS chega aos 70 anos em meio a crise de verba e funcionários

|

(LONDRES) BRUNO FUSCHINI - O NHS, sistema nacional público de saúde britânico, comemora seus 70 anos no dia 5 de julho. Criado 1948, em meio aos esforços de reconstrução do pós-guerra, ele surgiu com o nobre ideal de um serviço gratuito e universal,financiado inteiramente por meio de impostos.


Sete décadas depois, o NHS representa hoje um dos mais abrangentes e bem sucedidos serviços públicos de saúde do mundo. O sistema, no entanto, passa por uma das mais agudas crises de subfinanciamento e falta de pessoal de sua história.


Nos últimos anos o país vem registrando constante queda no percentual do PIB destinado à Saúde, passando de 7,59%, em 2009/10, para 7,1%, em 2018/19. Em 2017 o sistema registrou um déficit de £ 960 milhões, o dobro do que era esperado.


O Brexit é outro fator que tem gerado preocupação. Teme-se que com a saída do bloco se acentue a escassez de mão de obra na área da saúde. Hoje, 62 mil cidadãos europeus trabalham no NHS na Inglaterra, o que representa mais de 5% da mão de obra do sistema --em alguns departamentos esse percentual chega a 20%.


O sistema registra atualmente cerca de 100 mil vagas não preenchidas, incluindo 35 mil enfermeiras e 10 mil médicos. Isso representa cerca de 10% da atual força de trabalho do NHS.


Para mitigar essa situação, a primeira-ministra Thereza May anunciou em junho passado uma injeção de £ 20 bilhões no NHS até 2024. O dinheiro, segundo o governo conservador, deve vir do aumento de impostos e do fim da contribuição financeira britânica ao bloco europeu.


(St. George's Hospital/Divulgação)

Imagem fachada hospital


A SAÚDE FALANDO PORTUGUÊS


Hoje, apesar da crise no sistema, todas as pessoas que residem legalmente no Reino Unido podem se inscrever no NHS e usufruir de forma gratuita dos serviços prestados. Entre a população imigrante, no entanto, questões culturais e barreiras linguísticas acabam sendo um entrave à procura por acompanhamento médico.


Em Lambeth, na zona sul de Londres, cerca de um em cada seis moradores fala português. Uma população estimada em cerca de 40 mil pessoas. Foi vivenciando as dificuldades dessa comunidade que o médico Vikesh Sharma, que atua na região desde 2013, iniciou um projeto inovador.


O primeiro fruto desse trabalho surgiu no final de 2016, com a criação de uma cartilha em português para incentivar os lusófonos a registrar-se no NHS. No documento estão presentes informações sobre como fazer o registro no GP, como buscar os medicamentos necessários e o que fazer em situações de emergência.


O médico conta que os falantes de português recorriam muito aos serviços de emergência, isso depois que seus casos já se agravavam por falta de acompanhamento. Segundo ele, a principal barreira no atendimento ainda é a dificuldade na comunicação, já que os pacientes não conseguem explicar seus sintomas na língua inglesa.


(Cartilha destinada à comunidade lusófona de Lambeth/Reprodução)

Imagem nhs cartilha


Para a enfermeira portuguesa Élia Carvalho, que trabalha com o Dr. Sharma, questões culturais, como a diferença na forma do atendimento, também são um problema. Segundo ela, muitos pacientes buscam clínicas portuguesas particulares, ao invés do serviço público.


Além de render um prêmio ao Dr. Sharma, o sucesso da cartilha se desdobrou na criação do “Lambeth Portuguese Wellbeing Partnership”, organização que tem por objetivo cuidar da saúde e do bem estar da comunidade lusófona da região.


“Nós nos demos conta de que os desafios são muito maiores que a saúde. Isolamento, abuso de álcool e violência doméstica também estão muito presentes, impactando na vida e no bem estar das famílias”, diz o médico.


“Estamos somando esforços com profissionais de diferentes áreas e começando a ver os problemas de maneira holística, olhando as unidades familiares como um todo e para temas mais abrangentes, não apenas o indivíduo e sua saúde.”


O projeto contra atualmente com a colaboração de cerca de 20 voluntários e já recebeu um aporte de £ 335 mil de um fundo de caridade.


SERVIÇO DE INTERPRETAÇÃO


Aos pacientes com dificuldades em se comunicar em inglês o NHS também disponibiliza em toda a sua rede o serviço de intérprete, nas modalidades presencial e via telefone. Para contar com a presença de um intérprete em uma consulta o paciente ou alguém em seu nome deve fazer o requerimento com ao menos três dias de antecedência através do telefone 0161 627 8770 ou preenchendo um formulário no site do NHS. Para o serviço de interpretação via telefone não é necessário agendamento.