18 °C
Comunidade

Onde o dinheiro compra mais, no Brasil ou na Grã-Bretanha?

|

Foto: Arquivo Pessoal

Nutellathay



(LONDRES) Por Cristiane Lebelem - A curiosidade da brasileira Thayana Triacca foi muito além da mera dúvida, que paira no caixa do supermercado na hora de pagar a conta. Morando na Inglaterra há mais de dois anos, a comissária de voo, que resolveu tentar a vida do outro lado do Atlântico, conseguiu chegar a uma conclusão quanto ao custo final do seu carrinho de compras a cada quinze dias.



“No Brasil, eu como comissária de voo e meu marido, atuando como gerente de projetos, tínhamos salários bons, porém sempre tive a sensação de que eu estava pagando a mais do que deveria pelas coisas, tendo conhecimento dos preços praticados fora do Brasil, mas isso você só tem essa certeza quando se muda”, conta Thayana.



A verdade é que Thayna e o marido perceberam que mesmo tendo salários britânicos nominalmente mais baixos do que os que recebiam no Brasil, o padrão de consumo na Inglaterra é mais elevado. “Aqui costumamos fazer compras no mercado a cada 15 dias, e o valor final da compra não chega nem a metade do que eu teria gastado no Brasil.” A brasileira ainda destaca que a qualidade do que se pode comprar também é mais alta. “Hoje temos acesso a produtos de ótima qualidade e bem mais barato do que no Brasil”, compara.


“Quando comecei a trabalhar aqui, reparei o quanto os produtos eram mais acessíveis que no Brasil. Atualmente eu e meu marido estamos recebendo salário mínimo, e mesmo assim conseguimos pagar nossas contas e fazer uma compra pro mês com muitos produtos, que no Brasil quem recebe um salário mínimo não conseguiria comprar" 


Para quem está acostumado a conviver com inflação alta, juros de cartão de crédito elevados, e ter que fazer caber no orçamento doméstico tudo bem direitinho, o cálculo da conversão da moeda tende a ser um hábito inseparável nos primeiros meses da mudança de país.



“Quando comecei a trabalhar aqui, reparei o quanto os produtos eram mais acessíveis que no Brasil. Atualmente eu e meu marido estamos recebendo salário mínimo, e mesmo assim conseguimos pagar nossas contas e fazer uma compra pro mês com muitos produtos, que no Brasil quem recebe um salário mínimo não conseguiria comprar”, revela a brasileira que antes pensava duas vezes antes de comprar algo.



A comparação produto por produto



Em setembro do ano passado, o casal foi ao Brasil e resolveu comparar os preços para ter certeza de que precisaria fazer esse cálculo lá também. “Eu já sabia que quem recebe o mínimo no Brasil não consegue acesso a muitos produtos, mas quando vi a diferença de horas que eles precisam trabalhar para adquirir o produto eu fiquei chocada”, conta.



O produto que mais chamou a atenção na diferença de preço foi o pacote de fraldas. A diferença, convertendo o valor da mesma marca, daria para comprar três produtos com o preço de um no Brasil.



Thayana resolveu postar nas redes sociais, e com isso muita gente também participou dessa análise. “Entre os diversos comentários que obtive no Facebook, um me chamou muita atenção, escreveram que pessoas como baixo poder aquisitivo no Brasil não come Nutella e sim margarina. Então isso me chamou muita atenção, pois se consegue encontrar esse produto até em Poundland (por £ 1), ou seja, aqui não é produto de rico”.



As imagens a seguir mostram o conjunto de produtos que foram comparados entre o final do ano de 2017 e o começo deste ano, nos dois países. “Comparando e fotografando eu tive certeza que o dia a dia no Brasil está mais caro, porém, não precisa vir longe para perceber isso, acho que a partir do momento em que você vai ao mercado fazer a compra mensal e o valor total deu mais que 50% do salário mínimo é porque tem algo errado”, conclui.



Veja alguns dos produtos que eles conseguiram comparar


Arroz


Abacaxicomp


Ariel


Colgate


Confort





Dolcegusto


Ferrerorocher


Fraldas
























Heads


Heinz


Kinderbueno


Kinderovo


Leiteconde


Lencinho


Lindt


Listerine


Livroscomp


Melaomont preview


Mms preview


Mrmuscle preview


Nescafe preview


Nutella preview


Papel preview


Pato preview

Pedigree preview


Protetor preview


Rexona preview


Shampoobaby preview


Sucrilhos preview


Whiskas preview



Após toda essa experiência, tive certeza de que não voltaria a morar no Brasil, iria apenas de férias. Decidimos nos mudar para Liverpool, pois vimos que aqui o custo de vida é muito menor do que em Londres. E quanto ao Brasil, Thayanna revela “já consegui perceber que mesmo ganhando em libras as coisas estão muito caras no Brasil, então na próxima vez em que for de férias tentarei economizar mais”.



Para poder fazer um cálculo da remuneração do trabalhador na Grã-Bretanha, tenha em conta que o pagamento é feito por hora, remunerado a £ 7.50 (em abril haverá reajuste para £ 7.83), ou seja, um trabalhador que tenha um contrato de 40 horas semanais, terá um salário de £ 1,300 (antes do imposto). O salário mínimo no Brasil é R$ 954,00. Até o fechamento desta edição o câmbio apontava que a libra estava a R$ 4,52 (quatro vezes e meia mais alta que a moeda brasileira).



Claro que essa conta do custo de vida é bem mais ampla, de modo geral. Existem inúmeras variáveis a ser consideradas como outros pontos no orçamento doméstico, hábitos diferentes, além das responsabilidades que são cobertas pelo governo, como saúde e educação, sem contar o fato de que o transporte público também assegura uma economia considerável. Em outras edições, compararemos também os preços com Portugal e países lusófonos e outros quesitos como moradia, transporte, saúde e educação.



Para acompanhar mais detalhes da pesquisa veja a cotação


Cotau00e7u00e3o